Para encontrar a inteligência extraterrestre, astrônomos procuram por luzes de cidades alienígenas

Tempo de leitura: 4 minutos

Frustrados com o fracasso da procura por sinais de rádio vindos do espaço, astrônomos tentam novos métodos para encontrar a inteligência extraterrestre. Desta vez querem encontrar as cidades alienígenas.

Para encontrar a inteligência extraterrestre, astrônomos procuram por luzes de cidades alienígenas

Astrônomos procurando por sinais de inteligência extraterrestre estão desenvolvendo uma série de novos métodos muito mais sofisticados do que simplesmente apontar radiotelescópios para estrelas, na esperança de escutar a conversa de uma civilização alienígena.

Não que as pessoas envolvidas na busca por inteligência extraterrestre (SETI) tenham desistido dessa abordagem. Um programa bem financiado chamado Breakthrough Listen está no processo de estudar as emissões de rádio de um milhão de estrelas e 100 galáxias, procurando por tais transmissões.

Mas os astrônomos também estão correndo para encontrar maneiras cada vez melhores de estudar os milhares de exoplanetas que estão sendo procurados pelas buscas no céu, buscando não apenas aprender mais sobre a geologia desses planetas, mas também encontrar evidências de que eles podem ter vida.

E embora possa haver um ‘fator de riso’ em admitir o desejo de transformar as mesmas ferramentas poderosas na busca por ET, Adam Frank, um astrofísico da Universidade de Rochester, Nova Iorque, EUA, diz que é hora de superar isso.

Ele disse na conferência de astrobiologia AbSciCon 19, em Bellevue, Washington:

Já estamos envolvidos nesta incrível busca por bioassinaturas. Se você está procurando por bioassinaturas, vai fingir que nunca vai procurar por uma vida inteligente e apenas por uma vida estúpida?’

Os astrobiólogos se referem a sinais de ‘vida inteligente’ como ‘tecnoassintaturas’. As comunicações eletromagnéticas dispersas podem ser as mais fáceis de detectar, mas existem muitas outras.

Por exemplo, diz Thomas Beatty, um astrônomo da Universidade do Arizona, em Tempe, pode procurar por luzes das cidades alienígenas.

Os satélites em órbita da Terra têm sido capazes de devolver imagens em que as nossas “luzes noturnas” urbanas nos deslumbram com a sua beleza e detalhes com os quais traçam a propagação da civilização em todo o mundo.

Produzir essas imagens a partir de distâncias interestelares, nas quais os planetas parecem nada mais que pontos, mesmo nos maiores dos telescópios presentes e futuros, está atualmente além de nós. Mas a iluminação artificial é diferente da luz do Sol e de outras formas de luz natural, porque as tecnologias que a produzem emitem a maior parte de sua iluminação em uma faixa estreita de frequências.

Isso, diz Beatty, as torna mais fáceis de detectar à distância. Por exemplo, o telescópio espacial LUVOIR proposto pela NASA deveria achar fácil detectar essas luzes, se existirem, pelo menos para planetas circulando estrelas próximas.

Ele disse:

Ele foi projetado para detectar sinais sutis da atmosfera do lado diurno de planetas semelhantes à Terra. Isso significa que é capaz de detectar luzes da cidade à noite.

Mas pode não ser necessário esperar pelo lançamento do LUVOIR, não programado até 2039. Os telescópios situados na Terra já em construção devem estar à altura da tarefa, diz Beatty.

Estamos muito perto de sermos capazes de captar tecnoassinturas a partir do solo.

Dito isso, pode haver identificações tecnológicas mais fáceis de detectar do que luzes urbanas.

Quando olhamos para as estrelas, elas parecem brilhar e permanecer firmes (além dos efeitos cintilantes criados pela atmosfera da Terra). Mas, na verdade, diz Joseph Lazio – um astrônomo do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena, Califórnia – esse não é o caso.

Em média, diz ele, no nível de nanossegundos (um bilionésimo de segundo), os fótons de uma estrela são poucos e distantes entre si. Se você fizesse uma exposição do céu em nanossegundos, provavelmente não veria muita coisa além da escuridão. Os humanos, por outro lado, são perfeitamente capazes de construir lasers que emitem pulsos intensos no nível de femtosegundo (um milionésimo de nanossegundo). Também podemos construir radares de banda estreita que emitem sinais diferentes de qualquer coisa já criada pela natureza e capazes de serem detectáveis ​​em distâncias interestelares.

Se vemos algo assim, diz ele, “é uma conclusão razoável que a tecnologia está em funcionamento”.

David Kieda, um astrofísico da Universidade de Utah, em Salt Lake City, já está usando esse método para procurar “flashes ópticos” que podem ser gerados por civilizações distantes. Sua abordagem é usar dados de telescópios de raios gama, que detectam raios gama pelos breves flashes de luz visível que criam à medida que passam pela atmosfera da Terra.

Esses flashes, ele percebeu, podem ser distinguidos de flashes semelhantes a laser de civilizações alienígenas distantes, devido ao fato de que os flashes de raios gama originam-se na atmosfera da Terra, enquanto os flashes alienígenas do laser seriam muito mais distantes.

Isso alteraria a maneira pela qual eles são vistos por vários telescópios olhando para eles ao mesmo tempo, com os flashes de raios gama atingindo cada telescópio a um ângulo ligeiramente diferente, e flashes extraterrestres vindo de longe para mostrar tal efeito. Até agora, diz ele, não foram encontrados tais flashes extraterrestres, mas até agora, apenas uma fração dos dados disponíveis foi examinada. Mas isso é apenas o começo.

Svetlana Berdyugina, do Instituto Leibniz de Física Solar, em Freiburg, na Alemanha, diz que pode até ser possível detectar estruturas artificiais em exoplanetas, desde que sejam grandes o suficiente.

Para fazer isso, ela diz, começaria-se estudando as variações no brilho do planeta, chamado de ‘curva de luz’, enquanto ele gira primeiro de um lado a outro em nossa direção.

A partir disso, ela diz, é possível mapear variações de brilho na superfície do planeta – uma técnica que tem sido usada há muito tempo para asteroides e outros corpos do sistema solar.

Esses mapas podem revelar a localização de continentes, oceanos e calotas polares, e também podem mostrar padrões que não parecem naturais, embora, para isso, as estruturas envolvidas tenham que ser realmente enormes – muito além do escopo de qualquer coisa que os humanos ainda precisam construir.

Frank diz:

Entramos em uma era diferent. Não é mais o SETI do seu avô.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Já passou da hora dos astrônomos deixarem a ridícula ideia de escutar por transmissões de rádio vindas de civilizações alienígenas, até porque já foi provado que as distâncias interestelares distorceram todas as ondas de rádio antes de chegarem aqui. Isso se dá devido aos filtros encontrados no espaço (rochas, radiações, etc.).

Receber transmissões de rádio vindas das sondas Voyager que acabaram de sair do sistema solar é uma coisa. Receber transmissões de rádio de sistemas solares a anos luz daqui é totalmente diferente.

Encontrar cidades alienígenas é uma boa ideia, mas o ideal mesmo – e mais rápido de se obter resultados – seria investirem todo esse dinheiro em um estudo do fenômeno OVNI aqui mesmo na Terra, com todo o rigor científico que ele merece.

Mas, considerando os perigos que podem vir do espaço por todo o Universo, será mesmo que as cidades alienígenas construídas por alguns extraterrestres inteligentes têm o mesmo formato das cidades humanas, isto é, são construídas nas superfícies dos planetas?

Talvez um dia saberemos.

Termos recém pesquisados por leitores: