Telescópio captura brilho de anéis de Urano

Algum tipo de “onda de calor” aquece os anéis de Urano, revelam novas imagens do planeta, obtidas por dois telescópios no Chile.

Telescópio captura brilho de anéis de Urano
 Imagem composta da atmosfera de Urano e anéis em comprimentos de onda de rádio, tirada com a matriz ALMA em dezembro de 2017. A imagem mostra a emissão térmica, ou calor, dos anéis de Urano pela primeira vez, permitindo que os cientistas determinem sua temperatura: a frígida 77 Kelvin (-195 Celsius). Bandas escuras na atmosfera de Urano nesses comprimentos de onda mostram a presença de moléculas que absorvem ondas de rádio, em particular gás sulfídrico. Regiões brilhantes como o ponto polar norte (ponto amarelo à direita, porque Urano está inclinado de lado) contêm poucas dessas moléculas. (UC Berkeley imagem por Edward Molter e Imke de Pater)

Os anéis de Urano são invisíveis para todos, menos para os maiores telescópios. Eles não foram descobertos até 1977, mas aparecem surpreendentemente brilhantes em novas imagens de calor do planeta, tomadas por dois grandes telescópios nos altos desertos do Chile.

O brilho térmico dá aos astrônomos outra janela para os anéis, que foram vistos apenas porque refletem um pouco de luz na faixa visível, ou óptica, e no infravermelho próximo. As novas imagens tiradas pelo Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) e pelo Very Large Telescope (VLT) permitiram à equipe pela primeira vez medir a temperatura dos anéis: um gélido 77 Kelvin, ou 77 graus acima do zero absoluto – a temperatura de ebulição do nitrogênio líquido e equivalente a 195 graus centígrados abaixo de zero.

As observações também confirmam que o anel mais brilhante e mais denso de Urano, chamado anel epsilon, difere dos outros sistemas de anéis conhecidos dentro do nosso sistema solar, em particular os anéis espetacularmente bonitos de Saturno.

Imke de Pater, um professor de astronomia da Universidade de Berkeley, disse:

Os anéis principalmente gelados de Saturno são largos, brilhantes e têm uma faixa de tamanhos de partícula que vai de poeira do tamanho de mícron no anel D mais interno, até dezenas de metros de tamanho nos anéis principais. O final pequeno está faltando nos principais anéis de Urano; o anel mais brilhante, epsilon, é composto de rochas do tamanho de bolas de golfe e maiores.

Em comparação, os anéis de Júpiter contêm principalmente pequenas partículas de tamanho mícron (um mícron é um milésimo de milímetro). Os anéis de Netuno também são principalmente poeira, e até mesmo Urano tem grandes áreas de poeira entre seus anéis principais estreitos.

Anéis podem ser antigos asteroides capturados pela gravidade do planeta, remanescentes de luas que se chocaram e quebraram, os restos de luas dilaceradas quando chegaram muito perto de Urano, ou detritos remanescentes do tempo de formação de 4,5 bilhões de anos atrás.

Imagem de infravermelho próximo do sistema de anéis uranianos obtida com o sistema de óptica adaptativa do telescópio Keck de 10 metros no Havaí, em julho de 2004. A imagem mostra a luz solar refletida. Entre os anéis principais, que são compostos de partículas do tamanho de um centímetro ou maiores, áreas de poeira podem ser vistas. O anel epsilon visto em novas imagens térmicas está na parte inferior. (UC Berkeley imagem por Imke de Pater, Seran Gibbard e Heidi Hammel, 2006)

 

Os novos dados foram publicados na semana passada no The Astronomical Journal. De Pater e Molter lideraram as observações do ALMA, enquanto Michael Roman e Leigh Fletcher, da Universidade de Leicester, no Reino Unido, lideraram as observações do VLT.

Até o momento, os astrônomos contaram um total de 13 anéis ao redor do planeta, com algumas faixas de poeira entre os anéis. Os anéis diferem de outras maneiras dos de Saturno.

Ambas as observações do VLT e ALMA foram projetadas para explorar a estrutura de temperatura da atmosfera de Urano, com o VLT sondando comprimentos de onda mais curtos do que o ALMA.

Isso representa uma excelente oportunidade para o próximo Telescópio Espacial James Webb, que será capaz de fornecer restrições espectroscópicas vastamente aprimoradas nos anéis Uranianos na próxima década.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


Claro que no espaço o calor é relativo, pois a maior parte dele está no zero absoluto. Assim, essa temperatura mostrada no anel de Urano, comparada com o resto do espaço, pode ser considerada morna.

Ainda temos uma longa jornada à frente para descobrir todas as surpresas do Universo, ou pelo menos boa parte delas.

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.