A “corrida do ouro” até a Lua está prestes a começar – e poderíamos exaurir o sistema solar em menos de 500 anos


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve seu plano de mandar os humanos de volta à Lua nos próximos cinco anos, dando recentemente ao projeto uma injeção de US $ 1,6 bilhão.

A "corrida do ouro" até a Lua está prestes a começar

Seja Trump bem-sucedido ou não, o primeiro pouso bem-sucedido do lado lunar pela China, o recente conceito de ‘aldeia lunar’ da Agência Espacial Européia e uma infinidade de empresas privadas se preparando para voos espaciais comerciais indicam que um retorno humano à Lua pode estar prestes a ser levado a sério.

Mas esta seria uma boa ideia? Um novo estudo sugere que, para evitar a exaustão material do sistema solar, os seres humanos deveriam limitar-se a explorar apenas um oitavo dos recursos disponíveis. Como podemos estar testemunhando o início de uma nova corrida do ouro até a Lua, essa nova proposta pode ser posta à prova mais cedo do que imaginamos – e a Lua servirá como uma cama de teste inicial.

A razão para isso tem a ver com algo chamado “tempo de duplicação” – quanto tempo leva para uma quantidade dobrar. Por exemplo, uma economia que cresce a 10% ao ano dobraria de valor em 7,3 anos. Quando se trata do espaço, são necessários apenas três tempos de duplicação para passar de um oitavo para 100%.

Em outras palavras, quando chegamos a um ponto em que consumirmos um oitavo dos recursos do sistema solar, seriam necessários apenas três vezes para consumir o resto. A uma taxa modesta de crescimento de 3,5% ao ano no consumo de material de recursos espaciais, o ponto de oito pontos seria alcançado após 400 anos. No entanto, neste momento, levaria menos de 60 anos para usar todos os recursos remanescentes do sistema solar, criando um enorme problema para qualquer futura economia espacial – e deixando muito pouco tempo para encontrar uma solução.

O documento, portanto, sugere manter os sete-oitavos restantes do sistema solar como intocável. Tais áreas seriam livres para os humanos explorarem, mas não extraírem.

Recursos Lunares

O potencial de exploração científica e de recursos na Lua é alto. No entanto, os recursos não são distribuídos uniformemente. Por exemplo, a água será uma commodity muito valorizada, já que pode ser usada para o cultivo, para produzir combustível para foguetes, fornecer ar para respirar e, claro, ser consumida diretamente pelas pessoas.

Acredita-se que a água lunar exista como gelo misturado com o regolito lunar (solo) principalmente em crateras permanentemente sombreadas nas regiões polares, tornando-se um recurso finito e não renovável. Certas áreas da Lua também são particularmente ricas em titânio – mais uma vez, minérios valiosos não estão presentes nas mesmas quantidades em todos os lugares.

O pico da montanha na cratera de Tycho na Lua poderia ser uma futura perspectiva de mineração. Crédito da Imagem: NASA Goddard / Arizona State University.

Para processar os recursos, precisaremos de energia. A forma mais abundante de energia na superfície lunar é a luz solar, e a geração de energia solar é particularmente adequada para alguns locais escolhidos. Em um punhado de montanhas próximas aos pólos, a orientação da rotação da lLé tal que o Sol nunca se põe, oferecendo uma fonte ininterrupta de energia.

Do ponto de vista científico, o lado oculto da Lua apresenta um excelente local para observatórios de radioastronomia, particularmente do universo primitivo. A ionosfera da Terra tende a bloquear as transmissões de rádio de menor frequência e criar ruído, mesmo em frequências mais altas.

Imprecisão jurídica

É provável que haja demandas concorrentes futuras de diferentes participantes em diferentes áreas da superfície lunar. Então, quem é dono de quê? Bem, como acontece, nenhum país pode, no momento, reivindicar a propriedade de qualquer lugar no espaço sob o Tratado do Espaço Exterior. Em particular, o tratado declara que “o espaço exterior não está sujeito à apropriação nacional por reivindicação de soberania”, e que “a exploração e uso do espaço exterior deve ser realizado para o benefício e no interesse de todos os países e será da província de toda a humanidade”.

Vale a pena notar que nem todos os países assinaram o tratado. Em 2015, os Estados Unidos aprovaram a Lei de Competitividade do Lançamento Comercial Espacial de 2015 que, entre outras coisas, permite aos cidadãos americanos “se envolver na exploração comercial e exploração de ‘recursos espaciais’ (incluindo… água e minerais)”. Embora o ato não deixa claro que os EUA reconhecem que o espaço exterior como não sendo um território soberano, parece um pouco vago quanto a saber se uma empresa privada comercial que explora recursos no espaço está realmente agindo “para o benefício e para os interesses de todos os países”.

Se o espaço exterior, ou pelo menos um oitavo dele, realmente é a preservação de toda a humanidade, então isto implica que os recursos lá fora realmente deveriam pertencer coletivamente a toda a humanidade?

Vamos supor que haja algum acordo internacional para limitar nosso desenvolvimento do espaço exterior, como sugere o novo documento. É evidente que é provável que países ricos e/ou corporações poderosas cheguem à Lua e explorem seus recursos primeiro. Este cenário não é sem precedente.

A mineração de águas profundas em águas internacionais na Terra promete um ganho potencial extraordinário de minerais para aqueles que são capazes de explorá-lo, mas o impacto ambiental potencial já está causando preocupação. Da mesma forma, as ações de vários países do Mar da China Meridional demonstram como é fácil para países-nações suficientemente poderosos ignorar acordos internacionais ou arbitragem quando o potencial de riqueza de recursos está presente. Isso, presumivelmente, poderia se aplicar com a mesma facilidade às corporações privadas ou países que operam na Lua.

Isso tudo parece um pouco exagerado? Bem, como o artigo argumenta, nós, seres humanos, não somos bons em valorizar o impacto do crescimento exponencial a longo prazo. Em 2018, o setor espacial global foi avaliado em US $ 360 bilhões e prevê-se um crescimento de 5,6% ao ano. Em 2026 – dois anos depois que Trump planeja retornar à Lua – ela valerá US $ 558 bilhões. Se presumirmos que o crescimento anual de 5% continue, então, em um século, o setor espacial valeria 130 vezes seu valor atual. Em dois séculos, valeria 17,3 mil vezes seu valor atual e poderia até exceder a riqueza total da economia terrestre.

Grande parte dessa riqueza futura pode vir da extração de recursos, particularmente da mineração de asteroides e lunares. Estas são escalas de tempo comparáveis ​​com apenas algumas gerações de humanos…

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Certamente devemos nos preocupar em não exaurir toda a riqueza do sistema solar, embora para isso irá demorar muito e irá requerer muita tecnologia que ainda não temos. Mas primeiro, devemos nos preocupar a não exaurir o meio-ambiente do nosso próprio planeta, que está sofrendo neste momento. Temos sim que abrir as fronteiras da exploração do sistema solar para extrair recursos lá fora, antes de acabar com o que temos aqui.

Uma equação complicada…

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.