Acabam de descobrir 18 planetas do tamanho da Terra


Um deles é um dos menores conhecidos até agora; outro poderia oferecer condições amigáveis ​​à vida.
acabam de descobrir 18 planetas do tamanho da Terra

Um total de 18 planetas do tamanho da Terra foram descobertos além do sistema solar. Os mundos são tão pequenos que pesquisas anteriores os ignoraram.

Pesquisadores do Instituto Max Planck para Investigação do Sistema Solar (de sigla em inglês, MPS), da Universidade de Goettingen e do Observatório Sonneberg, reanalisaram ​​alguns dos dados Telescópio Espacial Kepler da NASA com um método novo e mais sensível que eles desenvolveram.

A equipe estima que seu novo método tem o potencial de encontrar mais de 100 exoplanetas extras em todo o conjunto de dados da missão Kepler.

Até agora, mais de 4.000 planetas orbitando estrelas fora do nosso sistema solar são conhecidos. Destes chamados exoplanetas, cerca de 96% são significativamente maiores que nossa Terra, a maioria deles mais comparável às dimensões dos gigantes gasosos Netuno ou Júpiter. No entanto, é provável que essa porcentagem não reflita as condições reais no espaço, já que os planetas pequenos são muito mais difíceis de rastrear do que os grandes. Além disso, mundos pequenos são alvos fascinantes na busca de planetas potencialmente habitáveis, semelhantes à Terra, fora do sistema solar.

Os 18 planetas recém descobertos, comparados em escala com Netuno e a Terra.

O planeta EPIC 201238110.02 (em verde) é o único dos recentemente identificados que tem a temperatura certa para ter água líquida em sua superfície.

Os 18 mundos recém-descobertos se enquadram na categoria de planetas do tamanho da Terra. O menor deles tem apenas 69% do tamanho da Terra; o maior é apenas mais que o dobro do raio da Terra. E eles têm outra coisa em comum: os 18 planetas não puderam ser detectados nos dados do Telescópio Espacial Kepler até o momento. Os algoritmos de pesquisa comuns não eram suficientemente sensíveis.

Em sua busca por mundos distantes, os cientistas frequentemente usam o chamado método de trânsito para procurar estrelas com perda de brilho recorrentes periodicamente. Se uma estrela tem um planeta cujo plano orbital está alinhado com a linha de visão da Terra, o planeta esconde uma pequena fração da luz de sua estrela quando passa na frente dela uma vez por órbita.

Rene Heller, da MPS, primeiro autor do novo estudo, informou:

Algoritmos de busca padrão tentam identificar quedas súbitas no brilho.

No entanto, um disco estelar parece um pouco mais escuro na borda do que no centro. Quando um planeta se move na frente de uma estrela, portanto, inicialmente bloqueia menos luz estelar do que no meio do trânsito. A atenuação máxima da estrela aparece no centro do tráfego, pouco antes da estrela se tornar gradualmente mais brilhante.

O novo algoritmo não procura por quedas abruptas de brilho como os algoritmos anteriores. Em vez disso, concentra-se na diminuição característica e recuperação gradual que ocorre quando o tráfego começa e termina.

Os planetas grandes tendem a produzir variações grandes e profundas no brilho de suas estrelas hospedeiras, de modo que a variação sutil de brilho da estrela no centro até a ponta dificilmente desempenha um papel em sua descoberta. Os pequenos planetas, no entanto, apresentam imensos desafios aos cientistas. Seu efeito sobre o brilho estelar é tão pequeno que é extremamente difícil distingui-lo das flutuações naturais do brilho da estrela e do ruído que necessariamente vem com qualquer tipo de observação.

A equipe de René Heller agora conseguiu demonstrar que a sensibilidade do método de trânsito pode ser significativamente melhorada, se uma curva de luz mais realista for assumida no algoritmo de busca.

Michael Hippke, do Observatório de Sonneberg, resume:

Nosso novo algoritmo ajuda a traçar uma imagem mais realista da população de exoplanetas no espaço. Este método é um importante passo em frente, especialmente na busca de planetas semelhantes à Terra.

A maioria dos novos planetas orbita sua estrela mais perto do que seus conhecidos companheiros planetários. As superfícies desses novos planetas, portanto, provavelmente têm temperaturas bem acima de 100 graus Celsius; alguns até têm temperaturas de até 1.000 graus centígrados. Apenas um dos corpos é uma exceção: provavelmente orbita sua estrela anã vermelha dentro da chamada zona habitável. A essa distância favorável de sua estrela, este planeta pode oferecer condições sob as quais a água líquida poderia aparecer em sua superfície, um dos requisitos básicos para a vida como a conhecemos na Terra.

Os cientistas descrevem seus resultados na revista Astronomy & Astrophysics.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Mas lembre-se: Para conter vida é necessário planetas do tamanho da Terra. Também, consideramos a água no estado líquido como sendo um pré-requisito para a vida, mas realmente não sabemos se a vida diferente da que conhecemos pode utilizar de outros meios de sobrevivência. Nosso próprios cientistas já cogitam a possibilidade da existência de vida em Titã, uma das luas de Saturno, que possui precipitações de hidrocarbonetos ao invés de água.

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.