web analytics

O núcleo da Terra age como molho de salada?

Tempo de leitura: 2 minutos


Qual é a textura real do núcleo da Terra? Cientistas parecem ter encontrado a resposta para esse mistério.

núcleo da Terra

Uma equipe de cientistas liderada por Yale pode ter encontrado um novo fator para ajudar a explicar o fluxo e refluxo do campo magnético da Terra – e é algo familiar para qualquer um que fez um vinagrete para sua salada.

O campo magnético da Terra, produzido perto do centro do planeta, há muito tempo funciona como um amortecedor da radiação nociva dos ventos solares que emanam do Sol. Sem essa proteção, a vida na Terra não teria tido a oportunidade de florescer. No entanto, nosso conhecimento do campo magnético da Terra e sua evolução é incompleto.

Em um novo estudo publicado em 6 de maio na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, o professor associado de Yale, Kanani K.M. Lee e sua equipe descobriram que ligas de ferro fundido contendo silício e oxigênio formam dois líquidos distintos sob condições semelhantes às do núcleo da Terra. É um processo chamado imiscibilidade.

A aluna de Yale e principal autora do estudo, Sarah Arveson, disse:

Observamos a imiscibilidade líquida frequentemente na vida cotidiana, como quando o óleo e o vinagre se separam no molho para salada. É surpreendente que a separação da fase líquida possa ocorrer quando os átomos são forçados muito próximos sob as imensas pressões do núcleo da Terra.

A imiscibilidade em ligas fundidas complexas é comum à pressão atmosférica e tem sido bem documentada por metalúrgicos e cientistas de materiais. Mas os estudos de ligas imiscíveis em altas pressões foram limitados às pressões encontradas no manto superior da Terra, localizado entre a crosta terrestre e seu núcleo.

Ainda mais profundo, 2.900 quilômetros abaixo da superfície, está o núcleo externo – uma camada de mais de 2.000 quilômetros de ferro derretido. Ela é a fonte do campo magnético do planeta. Embora este líquido quente se enrugue vigorosamente à medida que convecta, fazendo com que o núcleo exterior seja mais bem misturado, ele tem uma camada líquida distinta no topo. As ondas sísmicas que se movem através do núcleo externo viajam mais lentamente nesta camada superior do que no resto do núcleo externo.

Os cientistas ofereceram várias teorias para explicar essa camada líquida lenta, incluindo a ideia de que as ligas de ferro imiscíveis formam camadas no núcleo. Mas não houve evidência experimental ou teórica para provar isso até agora.

Usando experimentos com células de bigorna de diamante, aquecidas a laser para gerar altas pressões, combinadas com simulações por computador, a equipe liderada por Yale reproduziu as condições encontradas no núcleo externo. Eles demonstraram duas camadas líquidas distintas: um líquido pobre em oxigênio e ferro-silício, e um líquido de ferro-silício-oxigênio. Como a camada de ferro-silício-oxigênio é menos densa, ela sobe ao topo, formando uma camada de líquido rica em oxigênio.

Lee disse:

Nosso estudo apresenta a primeira observação de ligas metálicas fundidas imiscíveis em tais condições extremas, sugerindo que a imiscibilidade em fundidos metálicos pode ser prevalente em altas pressões.

Os pesquisadores disseram que as descobertas acrescentam uma nova variável para entender as condições da Terra primitiva, bem como a forma como os cientistas interpretam as mudanças no campo magnético da Terra ao longo da história.

Os autores adicionais do estudo são Jie Deng, de Yale, e Bijaya Karki, da Louisiana State University. A National Science Foundation e o Connecticut Space Grant Consortium financiaram a pesquisa.

(Fonte)

Colaboração: NINGUEM

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta e Universo. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Como informa o artigo acima, o campo magnético da Terra, formado por essa camada de ferro líquido, é o que nos protege da radiação vinda do espaço. Os cientistas afirmam que a vida na Terra não seria possível sem essa proteção. Porém, indago eu, será que há vida lá fora no Universo que possa resistir à radiação das estrelas, e até mesmo prospere se alimentando dela?

Trata-se de uma pergunta sem fundamentação científica de minha parte, mas que pode muito bem refletir a realidade. Afinal, pelo que nos contam, nunca foi estudada nenhuma vida fora de nosso planeta, e a ciência é constantemente surpreendida e reajustada com coisas que anteriormente eram consideradas impossíveis.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: