web analytics

Água é encontrada nas amostras do asteroide Itokawa – O que isto significa para a vida na Terra?

Tempo de leitura: 3 minutos


Os cientistas há muito ponderam sobre como e quando a Terra conseguiu sua água. Agora, pesquisadores propõem que até metade da água oceânica da Terra pode ter vindo de impactos de asteroides.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Água é encontrada nas amostras do asteroide Itokawa
As amostras estudadas vieram da característica chamada Muses Sea, que é a área lisa no meio do Itokawa. Foto da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA)

Pesquisadores fizeram as primeiras medições de água contidas em amostras da superfície de um asteroide. As amostras vieram do asteroide Itokawa e foram coletadas pela sonda espacial japonesa Hayabusa.

As descobertas da equipe sugerem que os impactos no início da história da Terra por asteroides semelhantes poderiam ter gerado até a metade da água do oceano do planeta.

Ziliang Jin, um aluno de pós-doutorado na Escola da Terra e Exploração Espacial da ASU, disse em um comunicado de imprensa:

Descobrimos que as amostras que examinamos foram enriquecidas em água em comparação com a média dos objetos do sistema solar interno.

Em duas das cinco partículas, a equipe identificou o piroxênio mineral. Nas amostras terrestres, os piroxênios possuem água em sua estrutura cristalina. A equipe de pesquisa suspeitou que as partículas de Itokawa também pudessem ter traços de água, mas queriam saber exatamente quanto.

Itokawa teve uma história difícil envolvendo aquecimento, múltiplos impactos, choques e fragmentação. Estes aumentariam a temperatura dos minerais e expulsariam a água.

Para estudar as amostras, cada uma com metade da espessura de um fio de cabelo humano, a equipe usou o Espectrômetro de Massa de Íons Secundários em Nanoescala (NanoSIMS) da ASU, que pode medir grãos minúsculos com grande sensibilidade.

As medições NanoSIMS revelaram que as amostras eram inesperadamente ricas em água. Elas também sugerem que até asteroides nominalmente secos, como o Itokawa, podem de fato abrigar mais água do que os cientistas supõem.

O Itokawa é um asteroide em forma de amendoim com cerca de 550 metros de comprimento e 200 a 900 metros de espessura. Ele circula o Sol a cada 18 meses, a uma distância média de 1,3 vezes a distância Terra-Sol. Parte do caminho do Itokawa a leva para dentro da órbita da Terra e, na parte mais distante, varre um pouco além de Marte.

Com base no espectro de Itokawa em telescópios baseados na Terra, os cientistas planetários o colocam na classe S. Isto liga-o aos meteoritos pedregosos, que se pensa serem fragmentos de asteroides tipo S quebrados em colisões.


Maitrayee Bose, professora assistente na Escola da Terra e Exploração Espacial da ASU, disse:

Asteroides do tipo S são um dos objetos mais comuns no cinturão de asteróides. Eles originalmente se formaram a uma distância do Sol de um terço a três vezes a distância da Terra.

Ela acrescenta que, apesar de serem pequenos, esses asteroides mantiveram a água e outros materiais voláteis com os quais se formaram.

Na estrutura, Itokawa se assemelha a um par de escombros empilhados juntos. Tem dois lóbulos principais, cada um com pedregulhos, mas com densidades gerais diferentes, enquanto que entre os lóbulos está uma seção mais estreita.

O Itokawa de hoje é o remanescente de um corpo de “pais” com pelo menos 19 quilômetros de largura que em algum momento foi aquecido entre 500 e 800 graus Celsius. O corpo dos pais sofreu vários choques grandes de impactos, com um evento final de quebra que o separou. No final, dois dos fragmentos se fundiram e formaram o Itokawa de hoje, que atingiu seu tamanho e forma atuais há cerca de 8 milhões de anos.

Bose diz:

As partículas que analisamos vieram de uma parte do Itokawa chamada de Muses Sea. É uma área no asteroide que é lisa e coberta de poeira.

Jin acrescenta:

Embora as amostras tenham sido coletadas na superfície, não sabemos onde esses grãos estavam no corpo original dos pais. Mas nosso melhor palpite é que eles estavam enterrados a mais de 100 metros de profundidade.

Ele acrescenta que, apesar do rompimento catastrófico do corpo dos pais e da exposição dos grãos da amostra à radiação e aos impactos causados ​​por micrometeoritos na superfície, os minerais ainda mostram evidências de água que não foi perdida no espaço.

Além disso, diz Jin:

Os minerais têm composições isotópicas de hidrogênio que são indistinguíveis da Terra.

Bose explica:

Isso significa que os asteroides do tipo S e os corpos dos pais de condritos comuns são provavelmente uma fonte crítica de água e vários outros elementos para os planetas terrestres.

(Fonte)


Sim, assim como há os mais diferentes metais por todo o Universo, há também água, que é um elemento essencial para a vida tal como a conhecemos.

Não precisa dizer mais, precisa?

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: