Astrônomos encontram núcleo de planeta destruído orbitando restos uma estrela


Em um fragmento de arqueologia galáctica que oferece uma sugestão pouco convidativa para o nosso próprio futuro, os astrônomos descobriram um pedaço de um antigo planeta orbitando os restos de sua antiga estrela, agora uma cinza ardente conhecida como anã branca.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Astrônomos encontram núcleo de planeta destruído

O fragmento, feito principalmente de ferro, níquel e outros metais, fica a 410 anos-luz da Terra, na constelação de Virgem. Ele poderia ter tido um quilômetro, ou centenas de quilômetros de diâmetro, mas como é denso o suficiente para ter sobrevivido à morte explosiva e subsequente evolução de sua estrela-mãe, provavelmente fazia parte de um grande planeta com uma órbita mais distante. Agora circunda a anã branca tão de perto que completa uma órbita a cada 123 minutos.

Christopher Manser, físico da Universidade de Warwick, na Inglaterra, e líder de uma equipe internacional que relatou seus resultados na Science na quinta-feira (4), disse:

O fato de termos descoberto um corpo orbitando em um período de duas horas é uma clara evidência de que um corpo planetário pode sobreviver a esse processo destrutivo.

Uma anã branca é o produto final deixado para trás quando uma estrela tão grande quanto o Sol ou um pouco maior fica sem combustível, expira e finalmente encolhe em uma brasa densa do tamanho da Terra. O universo está cheio dessas lápides densas.

No processo de morrer, no entanto, essas estrelas primeiro incham-se nos chamados gigantes vermelhos, envolvendo e destruindo seus planetas internos. Quando nosso Sol passar por esse processo em 5 ou 6 bilhões de anos, ele incinerará tudo dentro da órbita de Marte e provavelmente quebrará as órbitas dos planetas mais externos. Não há chance de que a vida neste planeta tenha sobrevivido ao evento, e é desconhecido se o objeto físico agora conhecido como Terra irá perseverar ou ser arrastado para seu destino no Sol.

O recém-descoberto fragmento planetário está a apenas 512.000 quilômetros da anã branca. Isso está bem dentro do raio presumido da estrela original, e muito mais próximo do que os astrônomos esperariam encontrar algo sólido.

O Dr. Mnaser disse:

Então, se o Sol estivesse posicionado onde a anã branca está, o planetesimal estaria orbitando dentro do Sol.

Estima-se que a estrela original tenha tido o dobro da massa do Sol e explodiu há cerca de 100 milhões de anos, disse Manser.

O Dr. Manser, junto com Boris Gänsicke, também da Universidade de Warwick, vem estudando o disco em torno de uma anã branca conhecida como SDSS J122859.93 + 10432.9; eles usaram uma variedade de telescópios, mais recentemente o Gran Telescopio Canarias em La Palma, nas Ilhas Canárias, na Espanha. Esta é uma de um punhado de anãs brancas conhecidas por serem cercadas por discos de detritos.

(Fonte)


Eis aí o nosso futuro.

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.