web analytics

Amostras da Lua serão finalmente examinadas, depois de 50 anos – cientistas procurarão por compostos orgânicos

Tempo de leitura: 2 minutos


Durante as missões Apolo, a NASA reservou inteligentemente alguns materiais lunares, sabendo que futuros cientistas provavelmente estariam melhor equipados para analisá-los.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Amostras da Lua serão finalmente examinadas, depois de 50 anos

Agora, quase 50 anos depois, a agência espacial está dando a um seleto grupo de pesquisadores a oportunidade extraordinária de estudar essas amostras não abertas e sem contaminação.

Nove propostas para estudar amostras Apolo não abertas foram selecionadas pela NASA, sob o seu programa Apollo Next Generation Sample Analysis, ou ANGSA, de acordo com um comunicado de imprensa da NASA Goddard. Os materiais lunares foram coletados durante a Apolo 15 (a quarta missão lunar, que começou em 26 de julho de 1971) e a Apollo 17 (a sexta e última missão lunar, que começou em 7 de dezembro de 1972). Algumas das amostras obtidas nunca foram abertas para evitar uma possível contaminação, enquanto outros materiais lunares, após algum processamento inicial, foram novamente selados e colocados em câmaras frigoríficas.

O objetivo de tudo isso era garantir a integridade dos materiais lunares para estudos posteriores, permitindo que futuros cientistas – equipados com novas tecnologias e novas perguntas – dessem uma olhada. Dado que nenhum material lunar retornou à Terra desde 1972, essa era uma ideia notavelmente presciente.

Entre os muitos objetivos do programa ANGSA está a realização de trabalhos que informarão as futuras missões lunares planejadas para as próximas décadas. Os pesquisadores procurarão aprender se os métodos usados ​​para armazenar os materiais da Apollo realmente funcionaram, mantendo-os tão puros e imaculados quanto possível. O trabalho também será relevante para os cientistas que trabalham na missão OSIRIS-REx, na qual amostras coletadas do asteroide Bennu serão entregues à Terra em março de 2021.

A astroquímica Jamie Elsila, do Laboratório Analítico de Astrobiologia de Goddard, liderará uma das equipes selecionadas para o programa.

Ela disse:

Estamos à procura de pequenas moléculas orgânicas que provavelmente estão presentes em concentrações muito baixas nas amostras lunares.

Nos últimos 50 anos, nossa sensibilidade analítica melhorou muito e novos métodos foram desenvolvidos para isolar os compostos nos quais estamos interessados, o que nos dá uma capacidade de detecção que não era possível há 50 anos.

É realmente uma questão de instrumentação e métodos mais avançados que nos permitem encontrar e medir essas moléculas agora.

A equipe de Elsila estudará compostos orgânicos voláteis – os precursores de aminoácidos – nas amostras, que se sabe existir nos materiais com base em estudos anteriores. Os pesquisadores querem saber se os compostos orgânicos existem em maior quantidade nas regiões sombreadas da Lua, e se as abundâncias desses compostos variam de acordo com a profundidade, entre outras coisas.

Elsila informou:

Isso nos ajudará a entender melhor a química lunar.

Os cientistas estavam fazendo perguntas sobre compostos orgânicos quando as amostras da Apolo foram trazidas, mas nossos novos instrumentos nos ajudarão a respondê-las de maneiras que não estavam disponíveis na época.

Além disso, a equipe de Elsila examinará como as amostras podem ter sido afetadas pelos procedimentos de curadoria usados. Por exemplo, eles gostariam de saber se armazenar os materiais em um vácuo ou em armazenamento refrigerado preservou os compostos voláteis melhor do que as condições padrão. As respostas vão ajudar na elaboração de planos de curadoria para futuras amostras devolvidas, disse ela…

Os astronautas não retornaram à Lua há quase 50 anos, mas, devido a uma excelente previsão, a pesquisa científica na Lua pode continuar. Aguardamos ansiosamente os resultados.

(Fonte)


Agora, com novas tecnologias, será muito interessante mesmo saber o que essas amostras contêm. Se compostos orgânicos – que fazem parte dos ingredientes para a vida – forem encontrados, isso significa que eles podem estar espalhados por todos os corpos celestes no Universo.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: