web analytics

Entre no mundo quântico: o que a mecânica das partículas subatômicas significa para o estudo dos OVNIs, nosso universo e além

Tempo de leitura: 6 minutos

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Luis Elizondo, um dos membros da To The Stars Academy, responsável pelo movimento que nos presenteou com vídeos reais de OVNIs obtidos pela Marinha dos Estados Unidos, publicou o artigo abaixo, mencionando uma associação dos OVNIs com a física quântica.

Isto é de grande interesse, pois, como ex-diretor do projeto de estudos de OVNIs do Pentágono, Elizondo parece saber muito a respeito do fenômeno e está liberando lentamente parte desse conhecimento.

Veja:

o que a mecânica das partículas subatômicas significa para o estudo dos OVNIs

Hoje, grande parte dos negócios do nosso governo (EUA) é conduzida a portas fechadas e, principalmente, por um bom motivo.

Existem inúmeros programas secretos, agências secretas, comissões secretas do Congresso, leis secretas e até mesmo um tribunal secreto. O sigilo permite ao nosso governo coletar e compartilhar informações, e até mesmo tomar decisões que poderiam cair em mãos inimigas ou serem exploradas.

Em última análise, o objetivo de manter as coisas em segredo no governo é proteger fontes e métodos, e garantir que o fluxo e a integridade da informação sejam mantidos, para que os tomadores de decisões possam tomar as mesmas com os melhores dados disponíveis. Não é surpresa que os governos façam grandes esforços para proteger as informações que consideram sensíveis. De fato, quanto mais informações sensíveis são percebidas, mais elas são protegidas.

Em nenhum outro lugar isso é mais verdadeiro do que o mundo sombrio da inteligência e espionagem.

Um famoso exemplo de programas secretos já foi dirigido por um colega meu, o Dr. Harold Puthoff. O Stargate Program foi um esforço de coleta de inteligência secreta direto dos livros de ficção científica. Estabelecido pela Agência Central de Inteligência (CIA) sob um nome diferente e depois adotado pela Agência de Inteligência de Defesa (DIA), o objetivo do Stargate era treinar coletores de inteligência em capacidades cognitivas humanas avançadas e usá-los para coletar informações.

Mais conhecidos como os espiões psíquicos, esses indivíduos de elite utilizaram os fenômenos não muito bem compreendidos da precognição e da “visão remota” para conduzir a espionagem contra nossos adversários.

Muitos na comunidade científica inicialmente desconsideraram a ideia, mas depois se encantaram pela fidelidade e exatidão dos dados coletados. O governo dos EUA estava realmente se intrometendo em coisas como feitiçaria, como alguns haviam proposto, ou havia uma explicação mais científica?

Talvez um dos programas mais controversos da história dos EUA, certamente não foi o primeiro nem o último a explorar o estranho mundo da física quântica para fins de inteligência e coleta de informações.

Algumas das pesquisas mais “estranhas” que estão acontecendo no governo agora estão no mundo da física quântica.

A mecânica quântica é uma teoria da física que estuda o comportamento da matéria e da energia nos níveis atômico e subatômico – e agora está ajudando a esclarecer algumas das áreas mais misteriosas da ciência.

Áreas que incluem teletransporte, emaranhamento quântico e energia de ponto zero estão fornecendo novos insights sobre o próprio tecido de nossa realidade e espaço-tempo. Ideias popularizadas por programas de ficção científica como o StarTrek (Jornada nas Estrelas)estão se mostrando mais reais do que você imagina.

A maioria das pessoas ficaria surpresa ao saber que temos teletransportado objetos como elétrons por mais de uma década e, mais recentemente, o satélite Micius confirmou o sucesso do teletransporte de um objeto quântico da Terra para a órbita, quebrando o recorde anterior.

Sim, o teletransporte é real.

Outro exemplo de envolvimento do governo no estranho mundo da mecânica quântica é o Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory – LIGO (Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferômetro a Laser). Uma parceria entre a Caltech, o MIT e a National Science Foundation, o trabalho do LIGO é detectar pequenas flutuações nas ondas gravitacionais causadas por buracos negros estelares que colidem milhões e bilhões de anos-luz de distância.

Até recentemente, a ideia de que as ondas gravitacionais ainda existiam, quanto mais comprimir e esticar o espaço-tempo como um Slinky, era apenas teórica. Por que as ondas gravitacionais são importantes? Porque eles provam que o próprio espaço e tempo em que vivemos é, de fato, flexível e às vezes muito flexível.

Se você está coçando a cabeça agora, provavelmente não está sozinho.

Nosso recente entendimento dessas estranhas propriedades quânticas só foi possível porque, em algum momento, o governo dos EUA decidiu que valeria a pena prosseguir e se envolver.

O mistério em torno dos Fenômenos Aéreos Não Identificados (FANIs) pode parecer caprichoso; afinal de contas, outros esforços, inclusive o agora famoso “Projeto Livro Azul”, consideraram os mesmos fenômenos fantasiosos, juntamente com vários outros esforços anteriores e não resultaram em nada… ou não?

Quando cheguei ao Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (de sigla em inglês, AATIP) do Pentágono, estávamos fazendo exatamente a mesma coisa que os outros antes de nós.

Mas o AATIP teve uma vantagem que seus antecessores não tiveram – uma melhor compreensão do mundo quântico. Apenas recentemente fizemos avanços suficientes em nossa compreensão da ciência que, pela primeira vez, muitos dos comportamentos desconcertantes dos FANIs (OVNIs) – como aceleração instantânea, velocidades hipersônicas, baixa observabilidade, viagens transmídia e até mesmo antigravidade – podem agora ser explicado pela física quântica e não pela ciência da bruxaria vodu.

Finalmente, estávamos no ponto em que a física alcançou as observações, os dados eletro-ópticos e outros dados concretos. Agora, tivemos um vislumbre de entender melhor como essas coisas se comportam e funcionam.

Livros escritos por professores de Harvard e cientistas de renome no MIT, Stanford, Cambridge e Oxford estão lançando nova luz sobre a matemática envolvida com este campo super boutique da ciência. Já não é o mundo quântico um campo científico da teoria, é agora um campo prático da realidade. Isso pode explicar o próprio comportamento do universo e tudo o que existe nele.

Pode até mesmo ajudar a desmistificar o enigma da ‘viagem mais rápida do que a luz’, ou francamente falando, a capacidade de dobrar o espaço-tempo de uma maneira que você possa percorrer grandes distâncias em um instante e ainda não quebrar nenhuma lei da física.

Eureka!

As leis foram feitas para serem quebradas.

Talvez no tribunal de trânsito, é melhor não dizer isso ao juiz.

Mas na física, estamos aprendendo que algumas leis podem ser distorcidas. Vamos olhar o entrelaçamento quântico como um exemplo.

Para que duas partículas sejam “emaranhadas”, quando uma partícula é acionada, a outra reage. Isso vale para as partículas separadas por uma polegada, um pé, uma milha ou muito, muito mais.

Aqui está uma demonstração muito simplificada do que isto se parece:

Vamos dizer que estou segurando duas canetas, uma em cada mão. Eu pego a caneta na mão esquerda e a jogo para a esquerda, para os confins do nosso universo visível, 13,5 bilhões de anos-luz no horizonte. Então, pego a caneta na mão direita e envio a caneta para o ponto mais distante do universo visível à direita, na direção oposta da primeira caneta. Agora temos aproximadamente 27 bilhões de anos-luz de distância entre cada caneta, certo? Isso significa que leva a luz (a coisa mais rápida no universo conhecido) 27 bilhões de anos para viajar da primeira caneta para a segunda.

No entanto, se minhas duas canetas são emaranhadas de forma quântica, da forma que eu agir em uma caneta, a outra irá responder imediatamente. De alguma forma, as duas canetas conseguiram comunicar instantaneamente uma ação que leva mais de 27 bilhões de anos para alcançar.

Confuso? Tudo bem. Albert Einstein foi tão enganado pelo emaranhamento quântico, que ele o chamou de “ação assustadora à distância”.

Então, como isso é possível se a luz é supostamente a coisa mais rápida do universo? É possível que a comunicação quântica tenha encontrado um atalho. Talvez a comunicação que ocorre no nível quântico não reconheça a distância da mesma maneira que nós, ou até mesmo o modo como a luz funciona.

Talvez, no mundo quântico, a distância não seja sequer uma consideração.

Alguns propuseram que o espaço é como uma esponja gigante, ou um queijo suíço, com pequenos orifícios que permitem que você passe de um ponto a outro sem ter que atravessar a esponja ou o queijo propriamente dito. Imagine se tivéssemos a tecnologia para explorar esses pequenos buracos.

Outra possibilidade é que, no nível quântico, a comunicação ocorre conectando duas áreas do espaço-tempo em um único ponto. Semelhante a desenhar um pequeno ponto com um lápis na borda de uma folha de papel, em seguida, dobrar as extremidades opostas do papel juntas para que a ponto de lápis em uma das extremidades encoste no outro lado do papel.

Os cientistas acreditam agora que existem outras coisas que podem realmente se mover mais rápido que a velocidade da luz. Observações recentes que apoiam a “Teoria da Inflação” propõem que o próprio espaço pode se expandir mais rápido que a velocidade da luz. Em essência, o espaço entre dois objetos pode se expandir tão rapidamente, que, embora os objetos em si não estejam se movendo mais rápido que a luz, o espaço entre os dois objetos certamente o faz.

A única coisa que percebemos é que, por mais estranho que seja o mundo quântico, ele é de fato real.

A física quântica nos ajuda a explicar o comportamento dos FANIs (OVNIs).

Todos os relatos sobre FANIs têm algo em comum: a maneira estranha e errática como as naves desconhecidas se movem pelo céu.

O primeiro relatório de um “disco voador” data de 1947, quando um piloto viu nove objetos parecendo bumerangues no céu, cada um se movendo “como um disco, se você o fizer saltitar sobre a superfície d’água”. Em 2003, uma testemunha neozelandesa descreveu um “OVNI prateado em forma de disco, com movimentos verticais e horizontais erráticos.” Milhares de relatórios de militares e civis de todo o mundo continuaram a relatar características semelhantes.

Então, em dezembro de 2017, o Departamento de Defesa liberou sua primeira “filmagem oficial” de encontros de OVNIs com os militares. Nos vídeos, os pilotos militares treinados – que sabem exatamente como as aeronaves domésticas e estrangeiras se parecem ao voar – estão completamente perplexos com o que estão testemunhando. A nave dispara para um lado, depois atravessa a tela para outro ponto, aparentemente desafiando as leis da ciência.

Como elas são capazes de manobrar dessa maneira?

Os FANIs não parecem estar limitados pelas mesmas limitações e interpretações que temos do espaço-tempo. Eles estão aqui um momento, desaparecem no próximo. Podemos presumir com segurança que qualquer tecnologia que esteja sendo usada provavelmente é muito superior à nossa.

É hora de uma mudança de paradigma.

Nos idos de 1800, o diretor do Escritório de Marcas Registradas dos Estados Unidos previa que em 20 anos não haveria mais a necessidade de patentes, porque tudo já teria sido inventado.

Bastante míope, certo? Mas uma coisa semelhante aconteceu com os FANIs. Com o Projeto Blue Book, a Força Aérea dos EUA compilou relatórios de dezenas de milhares de avistamentos de OVNIs ao longo de 17 anos. Mas em 1966, outro comitê da Força Aérea publicou o Relatório Condon, que concluiu que a maioria dos avistamentos examinados era explicável.

Então, a divulgação do Departamento de Defesa (DoD) de 2017 ocorreu, contradizendo diretamente as conclusões do Relatório Condon. Percebemos que não havíamos descoberto tudo o que havia para descobrir – nem de longe.

O AATIP obteve sucesso onde outros falharam, simplesmente porque nossa compreensão da física finalmente alcançou nossas observações.

Agora, equipados com mais informações do que nunca, estamos à beira de algumas revelações e descobertas sérias sobre o nosso lugar no universo.

(Fonte)

Colaboração: Raul Melhado, Marcelino Silva Melo


E estamos ansiosamente esperando novas informações vindas de Elizondo e sua equipe. Entre outras coisas, foram até mesmo prometidos mais vídeos reais de OVNIs, mas até agora parece que alguém está impedindo que isto aconteça.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: