web analytics

Sim, a Índia e o Paquistão poderiam acabar com o mundo como o conhecemos por meio de uma guerra nuclear

Tempo de leitura: 6 minutos

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

O OVNI Hoje já postou várias vezes a respeito de OVNIs interferindo nos armamentos nucleares pelo mundo afora, talvez como uma forma de avisar aos macacos beligerantes humanos que, seja lá quem estiver pilotando esses misteriosos objetos, eles desaprovam este tipo de atividade e que podem, se quiserem, interromper qualquer conflito nuclear.

Com os recentes conflitos entre a Índia e o Paquistão, agora há uma preocupação de que esses dois países possam finalizar suas diferenças com uma troca nuclear e, segundo especialistas, isto poderia causar danos globais. 

Se esse conflito realmente chegar ao ponto de detonações nucleares, será que os alienígenas realmente se importariam e interromperiam o processo antes que maiores danos sejam feitos ao planeta? Só saberemos se houver um conflito nuclear entre nações, e parece que a possibilidade é muito real entre a Índia e o Paquistão:

a Índia e o Paquistão poderiam acabar com o mundo como o conhecemos por meio de uma guerra nuclear

Uma série de eventos que começaram com um grande ataque terrorista na região disputada de Jammu e Caxemira empurrou a Índia e o Paquistão, e seus arsenais nucleares, para mais perto da guerra total entre si do que há décadas. Embora os dois países tenham estoques nucleares significativamente menores em comparação com os Estados Unidos ou a Rússia, mesmo uma troca nuclear limitada entre eles poderia levar a problemas climáticos e de saúde em escala global, um cenário conhecido como Inverno Nuclear, que acabaria com a vida no planeta. como nós conhecemos…

Após uma série de operações aéreas, os dois países estão no limite e fizeram ameaças para agravar ainda mais a situação. O Paquistão advertiu a Índia diretamente sobre novos ataques e sugeriu que a situação poderia levar a um confronto nuclear.

O major-general Asif Ghafoor, porta-voz do exército paquistanês, disse em 26 de fevereiro de 2019 após os ataques iniciais indianos ao Paquistão:

Como todos sabem, o governo paquistanês convocou uma reunião da Autoridade de Comando Nacional amanhã. Espero que você saiba o que isso significa.

A Autoridade Nacional de Comando do Paquistão é um comando estratégico conjunto de alto nível que supervisiona notavelmente o estoque nuclear do país. A Índia tem a sua própria Autoridade de Comando Nuclear e o Comando de Forças Estratégicas dedicado que cumpre o mesmo papel geral na tomada de decisões relativas ao emprego de suas armas nucleares. Nos dois países, a decisão final de iniciar um ataque nuclear é das autoridades civis.


O que há nesses arsenais?

Embora os números exatos não estejam disponíveis publicamente, o Paquistão teria entre 140 e 150 ogivas totais, todas elas tipos de fissão, ou bombas atômicas, em vez de dispositivos de fusão ou termonucleares, mais comumente conhecidas como bombas de hidrogênio. O Paquistão atualmente tem uma mistura de mísseis balísticos de médio alcance com capacidade nuclear.

Os modelos de maior alcance no serviço paquistanês são o Ghauri-II e o Shaheen-III. Estes têm intervalos máximos estimados de cerca de 1.500 e 1.700 milhas (2.400 e 2.700 km), respectivamente. Isso permite que o Paquistão alveje razoavelmente qualquer coisa dentro da Índia.

O Paquistão também possui mísseis balísticos de curto alcance Nasr com ponta nuclear e mísseis de cruzeiro Babur lançados do solo. Seus jatos de combate também podem transportar mísseis de cruzeiro e mísseis nucleares lançados pelo Ra’ad. A Marinha paquistanesa está em vias de obter também uma capacidade de mísseis de cruzeiro lançada por um submarino nuclear. Isso poderia dar ao país um dissuasor ‘austero’ detentor contra um segundo ataque.

A Índia é igualmente secreta sobre o tamanho total de seu estoque, mas supostamente consiste em cerca de 130 e 140 ogivas, novamente todas de fissão. Os militares indianos implantaram mísseis balísticos de alcance curto, médio e intermediário com ogivas nucleares, que formam o núcleo de sua atual força nuclear.

Os mísseis balísticos lançados no solo da Índia se dividem principalmente em duas famílias, a Prithvi e a Agni. Os primeiros são mísseis de curto alcance, enquanto os últimos incluem tipos de alcance médio e intermediário. Agni-III tem um alcance de mais de 3.100 milhas (5.000 km) colocando facilmente todo o Paquistão ao alcance, mesmo de dentro do território indiano.

Os Agni-V e -VI, ainda em desenvolvimento, são mísseis balísticos intercontinentais, que visam fornecer um impedimento mais eficiente contra a China, outro dos potenciais adversários regionais da Índia.

A Índia também tem o míssil de cruzeiro BrahMos, com capacidade nuclear, que o país desenvolveu em conjunto com a Rússia. Os índianos implantaram versões desta arma lançadas no ar, no mar e no solo. Os jatos de combate da Força Aérea Indiana também podem transportar bombas nucelares de gravidade.

Por último, a Índia possui mísseis balísticos de curto alcance lançados por navios Dhanush, bem como um único submarino de mísseis balísticos com propulsão nuclear, formando uma capacidade nuclear naval limitada. A marinha indiana espera ter quatro submarinos da classe Arihant, embora o projeto tenha sido afetado por atrasos e dificuldades técnicas. Ainda assim, isso fornecerá à Índia um robusto detentor contra um segundo ataque.


Uma ameaça global

Os arsenais nucleares da Índia e do Paquistão são minúsculos se comparados aos dos Estados Unidos e da Rússia, e essas armas se concentram principalmente em dissuadir um país ao outro, mas isso não significa que elas sejam ameaças puramente regionais. Ao contrário das armas convencionais, as armas nucleares criam efeitos duradouros e de longo alcance que os cientistas postularam como capazes de derrubar a vida na Terra, caso as partes em conflito as usassem em números suficientes.

Em 2012, Alan Robock, renomado professor do Departamento de Ciências Ambientais e Diretor Associado do Centro de Previsão Ambiental da Rutgers University, e Owen Brian Toon, professor do Departamento de Ciências Atmosféricas e Oceânicas e pesquisador associado do Laboratório Para a Física Atmosférica e Espacial da Universidade do Colorado, em Boulder, argumentaram que talvez não seja necessária uma grande quantidade de armas nucleares para criar um cenário comumente conhecido como ‘Inverno Nuclear’.

Em geral, esse evento hipotético ocorre quando a fumaça e a fuligem de explosões nucleares bloqueiam quantidades significativas de luz solar que atingem a superfície da Terra, levando a uma queda abrupta nas temperaturas, que resultam em fracassos da colheitas em massa e fome generalizada.

Robcock e Toon resumiram suas descobertas, baseadas em parte em seus trabalhos anteriores, em um artigo no Bulletin of The Atomic Scientists, escrevendo:

Mesmo uma ‘pequena’ guerra nuclear entre a Índia e o Paquistão, com cada país detonando 50 bombas atômicas do tamanho de Hiroshima – apenas cerca de 0,03% da potência explosiva do arsenal nuclear global – como explosões de ar em áreas urbanas, poderia produzir tanta fumaça que as temperaturas cairiam abaixo dos da Pequena Idade do Gelo do século XIV ao XIX, encurtando a estação de crescimento em todo o mundo e ameaçando o suprimento global de alimentos. Além disso, haveria depleção maciça de ozônio, permitindo que mais radiação ultravioleta alcançasse a superfície da Terra. Estudos recentes preveem que a produção agrícola em partes dos Estados Unidos e da China diminuiria em cerca de 20% durante quatro anos e em 10% durante uma década.

A bomba que os Estados Unidos lançaram sobre Hiroshima, no Japão, conhecida como Little Boy, era um projeto ineficiente e essencialmente experimental, com um rendimento de cerca de 15 quilotons. Os resultados relatados dos testes nucleares indianos e paquistaneses indicam que ambos os países podem atingir este limiar e que os programas de armas de ambos os países quase certamente amadureceram nas décadas seguintes.

Em estudos anteriores, Robcock, trabalhando com outros, postulou que as mudanças de temperatura poderiam começar dentro de 10 dias de uma troca nuclear limitada, e os efeitos das detonações de 100 armas nucleares na classe de 15 kilotons resultariam diretamente nas mortes de pelo menos 20 milhões de pessoas. Os impactos de segunda ordem seriam ainda piores nos anos que se seguiriam.

Efeito das detonações, em caso de guerra nuclear entre a Índia e o Paquistão.

Em 2014, Michael Mills e Julia Lee-Taylor, ambos trabalhando no Laboratório do Sistema Terrestre do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR), fundado pelo governo federal, criaram outro trabalho com Robcock e Toon. Este estudo concluiu novamente que a detonação de 100 bombas de 15 kilotoneladas em um conflito puramente regional resultaria em “resfriamento global de várias décadas” e “colocaria pressões significativas no suprimento global de alimentos e poderia desencadear uma fome nuclear global”…

…Os estudos aqui indicam impactos significativos baseados em um número relativamente limitado de detonações nucleares de dispositivos de menor rendimento. Mas mesmo que os impactos sejam menos pronunciados do que o projetado neste cenário em particular, eles podem ser muito mais severos se a Índia e o Paquistão usarem um número maior de armas e/ou de maior rendimento, o que ambos os beligerantes prontamente têm.

Além disso, o Inverno Nuclear é apenas uma das coisas potenciais que podem acontecer após uma troca nuclear entre os inimigos de longa data. A detonação de dezenas de armas nucleares, mesmo pequenas, lançaria no ar uma perigosa precipitação nuclear que, dependendo do padrão climático, poderia transportar esse material para longe, causando impactos de saúde de curto e médio prazo. Os vários locais de detonação em terra ficariam irritados e potencialmente perigosos por muitos anos.

Dependendo de onde as detonações ocorrerem, uma troca nuclear poderia cortar pessoas de fontes críticas de água e alimentos, colocando tensões aumentadas e potencialmente insustentáveis ​​em áreas não contaminadas. Depois que a usina nuclear de Chernobyl, situada na Ucrânia, derretida e explodida em 1986, as autoridades estabeleceram uma ‘zona de exclusão’ de acesso restrito de 2.600 quilômetros quadrados, que permanece em vigor hoje.

Também haveria um grande perigo de efeitos secundários de segunda ordem, à medida que os indivíduos fugissem das áreas afetadas, colocando tensões econômicas e políticas nas regiões vizinhas. Isso poderia inflamar as tensões existentes, não diretamente relacionadas ao conflito entre a Índia ou o Paquistão, ou levar a uma competição nova e potencialmente violenta pelo que já podem ser recursos limitados. A Índia já ameaçou cortar o acesso à água ao Paquistão em sua última briga com os paquistaneses.

Qualquer impacto sério no abastecimento de alimentos e água, ou outros transtornos econômicos como resultado direto ou indireto do conflito, também teria um impacto em cascata no Sul da Ásia e além. A própria ameaça de uma potencial guerra entre Índia e Paquistão já causou algumas reações negativas nos mercados financeiros regionais. Esses mercados certamente entrariam em colapso após a ocorrência de uma troca nuclear sem precedentes, e isso antes que os impactos físicos de longo prazo de tal evento se manifestassem.

No geral, estamos falando de uma súbita e dramática mudança geopolítica, financeira e ambiental que mudaria nossa realidade em questão de horas. Mesmo assim, a escuridão, figurativa e literal, que poderia se propagar ao longo das semanas, meses e anos seria muito mais prejudicial.


Quão grande é o risco?

Até agora, a Índia e o Paquistão não deram indicações claras de que os combates estão perto de cruzar seus limites nucleares. As advertências do Paquistão sobre os riscos de escalada parecem mais calculadas para tentar levar a Índia a recuar.

A própria Índia tem a chamada política de ‘não usar primeiro’, o que significa que se comprometeu publicamente a usar suas armas nucleares apenas em retaliação a um ataque nuclear. No entanto, os especialistas questionam cada vez mais se esse é realmente o caso, e se a Índia pode estar desenvolvendo sistemas de entrega mais adequados para um primeiro ataque, caso haja necessidade de mudar as políticas.

O Paquistão, no entanto, não tem uma política de não usar primeiro e tem insistido em seu direito de empregar armas nucleares para se defender, mesmo diante da ameaça puramente convencional. As autoridades paquistanesas, no passado, citaram especificamente essa política como forma de dissuadir a Índia, que tem uma força convencional muito maior e, em alguns casos, mais avançada, e impede guerras maiores.

A preocupação, portanto, é que essa política parece ter fracassado, pelo menos em algum grau, com o ataque da Índia no território paquistanês em 26 de fevereiro de 2019. A Índia, no entanto, não visou as forças paquistanesas naquele caso e as trocas entre os dois países foram limitados, pelo menos até agora, à disputada região de Jammu e Caxemira, onde escaramuças violentas ocorrem semi-regularmente, sem precipitar um confronto maior.

Só podemos esperar que os dois países encontrem uma solução diplomática para este último conflito e evitem qualquer nova escalada. Se as coisas saírem do controle e levarem ao uso de armas nucleares, seria algo que ameaçaria toda a humanidade.

(Fonte)


n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: