web analytics

Existem montanhas e planícies a 660 km abaixo dos nossos pés, revelou estudo a partir de terremoto boliviano

Tempo de leitura: 3 minutos

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Quando, na casuística da ovnilogia/ufologia, se fala na possibilidade de extraterrestres terem bases subterrâneas por todo o planeta, ou que no interior do nosso planeta possam existir outras civilizações, os céticos pulam de suas confortáveis cadeiras para protestar, dizendo ser impossível viver nas profundezas da Terra. Porém, o que eles realmente sabem sobre aquilo que está abaixo de nossos pés?

Pois uma nova descoberta parece indicar que há muitas mais possibilidades nas profundezas da Terra do que o cidadão comum possa pensar.

Será que o grande escritor de ficção científica, Júlio Verne, o qual pareceu prever o futuro com muito do que escreveu em seus livros, também acertou em sua obra Viagem ao Centro da Terraa qual relata sobre um mundo paralelo abaixo da crosta terrestre?

Existem montanhas e planícies a 660 km abaixo dos nossos pés
Uma ilustração do livro de Júlio Verne, “Viagem ao Centro da Terra”.

A maioria das crianças aprende na escola que a Terra tem três (ou quatro) camadas: uma crosta, manto e núcleo, que às vezes é subdividida em um núcleo interno e externo. Isso não está errado, mas deixa de fora várias outras camadas que os cientistas identificaram dentro da Terra, inclusive a zona de transição dentro do manto.

Um estudo publicado esta semana na revista Science, geofísicos da Universidade Princeton, Jessica Irving e Wenbo Wu, em colaboração com Sidao Ni do Instituto de Geodésia e Geofísica na China, usaram dados de um enorme terremoto na Bolívia para encontrar montanhas e outra topografia na base do zona de transição, uma camada que está a 660 quilômetros abaixo, a qual separa o manto superior e inferior. (Sem um nome formal para essa camada, os pesquisadores simplesmente chamam de ‘o limite de 660 km’).

Para espiar profundamente a Terra, os cientistas usam as ondas mais poderosas do planeta, que são geradas por terremotos em massa. “Você quer um grande terremoto para abalar todo o planeta”, disse Irving, professora assistente de geociências.

Grandes terremotos são muito mais poderosos que os pequenos – a energia aumenta 30 vezes a cada grau da escala Richter – e terremotos profundos, “em vez de desperdiçar energia na crosta, podem sacudir o manto inteiro”, disse Irving. Ela obtém seus melhores dados de terremotos de magnitude 7,0 ou mais, disse ela, enquanto as ondas de choque que eles enviam em todas as direções podem viajar através do núcleo para o outro lado do planeta – e vice-versa. Para este estudo, os principais dados vieram das ondas captadas após um terremoto de magnitude 8,2 – o segundo maior terremoto já registrado – que abalou a Bolívia em 1994.

Ela disse:

Terremotos tão grandes não aparecem muito frequentemente. Temos sorte agora que temos muito mais sismógrafos do que há 20 anos.

A sismologia é um campo diferente do que era há 20 anos, entre instrumentos e recursos computacionais.

Sismólogos e cientistas de dados usam computadores poderosos, incluindo o agrupamento de supercomputadores Tiger da Universidade de Princeton, para simular o complicado comportamento das ondas de dispersão na Terra profunda.

Wu, o principal autor do novo artigo, que acaba de completar seu doutorado em geociências, e agora é pesquisador de pós-doutorado no California Institute of Technology, disse:

Sabemos que quase todos os objetos têm aspereza da superfície e, portanto, dispersam a luz. É por isso que podemos ver esses objetos – as ondas espalhadas carregam a informação sobre a aspereza da superfície. Neste estudo, investigamos as ondas sísmicas dispersas viajando dentro da Terra para restringir a rugosidade do limite de 660 km da Terra.

Os pesquisadores ficaram surpresos com o quão áspero esse limite é – mais áspero do que a camada superficial em que todos nós vivemos.

Wu informou:

Em outras palavras, uma topografia mais forte que as Montanhas Rochosas ou os Apalaches está presente no limite de 660 quilômetros.

Seu modelo estatístico não permitia determinações precisas de altura, mas há uma chance de que essas montanhas sejam maiores do que qualquer coisa na superfície da Terra. A aspereza não foi igualmente distribuída; assim como a superfície da crosta tem chão oceânico liso e montanhas enormes, o limite de 660 km tem áreas irregulares e áreas lisas. Os pesquisadores também examinaram uma camada de 410 quilômetros abaixo, no topo da ‘zona de transição’ do manto médio, e não encontraram rugosidade semelhante…


O que isto significa?

A presença de rugosidade no limite de 660 km tem implicações significativas para entender como nosso planeta se formou e continua funcionando. Essa camada divide o manto, que representa cerca de 84% do volume da Terra em suas seções superior e inferior.

Por anos, os geocientistas debateram o quão importante é esse limite. Em particular, eles investigaram como o calor viaja através do manto – se as rochas quentes são carregadas suavemente do limite do manto central (quase 3.200 quilômetros abaixo) até o topo do manto, ou se essa transferência é interrompida nesta camada. Algumas evidências geoquímicas e mineralógicas sugerem que o manto superior e inferior são quimicamente diferentes, o que sustenta a ideia de que as duas seções não se misturam termicamente ou fisicamente. Outras observações sugerem que não há diferença química entre o manto superior e o inferior, levando alguns a argumentar para o que é chamado de ‘manto bem misturado’, com o manto superior e inferior participando do mesmo ciclo de transferência de calor…

Irving ainda informou:

É fácil presumir, dado que só podemos detectar ondas sísmicas viajando pela Terra em seu estado atual, que os sismólogos não podem entender como o interior da Terra mudou nos últimos 4,5 bilhões de anos. O que é interessante sobre esses resultados é que eles nos dão novas informações para entender o destino das antigas placas tectônicas que desceram ao manto, e onde o antigo material do manto ainda pode residir.

A sismologia é mais excitante quando nos permite entender melhor o interior do nosso planeta no espaço e no tempo.

(Fonte)


Esta descoberta provavelmente colocará ainda mais gasolina no fogo da teoria de que ETs habitam o interior do nosso planeta: