web analytics

Israel se unirá ao grupo seleto de exploração lunar, lançando este mês sonda que pousará na Lua

Tempo de leitura: 3 minutos
Israel se unirá ao grupo seleto de exploração lunar

O filme “Moon of Israel” (Lua de Israel) é um épico de 1924 da era de ouro dos filmes mudos, e ajudou a lançar a carreira de diretor de Michael Curtiz, do famoso filme “Casablanca. As sequências raramente correspondem ao original. Mas se os planos de Israel de colocar uma sonda robótica na Lua em fevereiro de 2019 puderem ser consideradas uma continuação, essa nova missão ‘Lua de Israel’, liderada pela empresa sem fins lucrativos SpaceIL, será um sucesso de bilheteria por si só.

Israel se unirá ao grupo seleto de exploração lunar, lançando este mês sonda que pousará na Lua 1
Cartaz do filme mudo americano, ‘A Lua de Israel’ (originalmente ‘Die Sklavenkönigin’)

Os pousos lunares remontam aos anos 60. Os Estados Unidos desembarcaram 12 pessoas em seis ocasiões diferentes, como parte do programa Apolo, juntamente com naves espaciais robóticas, como a Surveyor, que serviu como um precursor de missões humanas. A União Soviética realizou as missões robóticas Luna e pousou veículos automatizados Lunokhod nos anos 70. Mais recentemente, a China conseguiu pousar a sonda robótica Chang’e 4 no lado oculto da Lua. Estas missões são todas realizações técnicas surpreendentes e maravilhas do conhecimento humano, patrocinadas e construídas por grandes agências espaciais do governo.


Nova Lua, novo modo de exploração

O próximo visitante da Lua é diferente. O Beresheet da SpaceIL – em hebraico para ‘No Começo’ – será a primeira missão privada lançada da Terra que irá pousar na Lua, e a primeira nave espacial a impulsionar-se sobre a superfície lunar após pousar ‘saltitando’ com seu foguete até um segundo ponto de aterrissagem. A missão traz ainda outro marco, não apenas na história e no arco técnico da exploração espacial, mas também em como a humanidade faz esta exploração espacial.

A SpaceIL foi fundada em 2011 para competir no Google Lunar XPrize, um programa que planejava premiar US $ 30 milhões para a primeira equipe financiada por fundos privados que poderia construir uma espaçonave e aterrissar com sucesso na Lua. Além do pouso, a espaçonave, ou um jipe-sonda, teria que percorrer uma distância de 500 metros ou mais e transmitir imagens de alta definição do ambiente de pouso para a Terra. O prazo final do concurso Google Lunar XPrize terminou em 2018 sem um vencedor. Destemido, o SpaceIL avançou com o desenvolvimento e construção da espaçonave, e agora está pronto para ser lançado de Cabo Canaveral, Flórida.

O módulo de aterramento Beresheet é mais ou menos do tamanho e do formato de uma mesa de jantar familiar, com aproximadamente 1,8 m de diâmetro e 1,2 m de altura, pesando (na Terra) cerca de 160 quilos. Isso não inclui os quase 450 quilos de combustível necessários para pousar a espaçonave na Lua. Carregando a instrumentação para medir o campo magnético da Lua, um refletor de laser fornecido pela NASA e uma cápsula do tempo contendo artefatos históricos e culturais israelenses, a missão viajará ao espaço como uma carga secundária – como um passageiro compartilhado – a bordo de um foguete SpaceX Falcon 9.


Indo para a Lua, sem foguete

A carga primária no lançamento da SpaceX não é o módulo espacial da SpaceIL, mas sim um satélite de comunicações para a entrega de uma órbita geoestacionária alta centrada na Terra, aproximadamente 35.000 quilômetros acima do equador do nosso planeta. Isso efetivamente estaciona o satélite de comunicações acima de um ponto fixo na Terra, com sua órbita sincronizada precisamente com a rotação diária do nosso planeta. A espaçonave Beresheet acompanhará o satélite primário em sua jornada. Mas, para alcançar a Lua, ela precisa viajar mais de dez vezes mais.

No voo espacial, a principal restrição em viajar de um lugar para outro não é a distância, mas a quantidade de energia necessária. O foguete Falcon 9 transportará a Beresheet a apenas cerca de 10% da distância total até a Lua. Porém, ele fornecerá quase 90% da energia total necessária para chegar lá. Consequentemente, uma vez levantado da superfície da Terra, e com uma pequena quantidade de energia adicional de seu próprio sistema de propulsão, a Beresheet pode impulsionar sua própria órbita, posicionando-se de modo que seja capturada pela atração gravitacional da Lua. Esse processo levará várias semanas.

Uma vez pousada na lua, no entanto, a missão pode durar apenas mais alguns dias. A sonda não foi projetada para o longo prazo, mas, ao contrário, demonstrará avanços na tecnologia, bem como o modelo de negócios para uma espaçonave com financiamento privado que aterrisse em outro corpo do sistema solar. Nesse sentido, a Beresheet criará uma segunda e ainda mais memorável ‘Lua de Israel’.

Não há ar na Lua – e, portanto, também não há som. Assim, como o filme original de 1924, esta sequência também será muda. Mas os participantes não são atores, e a visão será em cores de alta definição. O conhecimento técnico desenvolvido pela equipe de engenharia, os dados científicos e técnicos dos instrumentos da espaçonave, o aprender de como missões espaciais podem ser executadas fora de um programa governamental e a inspiração fornecida a toda uma geração de jovens – especialmente em Israe e a região do Oriente Médio – trará conhecimentos valiosos e inspiração para as próximas décadas.

(Fonte)


O lançamento da sonda israelense será no dia 19 de fevereiro.

Se o Brasil não tivesse tantos ladrões, poderíamos também fazer parte deste seleto grupo mundial de exploração lunar.

Uma pena.