web analytics

NASA revelou enorme anomalia de gravidade enterrada sob a Antártica que pode explicar teorias da conspiração

Tempo de leitura: 2 minutos
NASA revelou enorme anomalia de gravidade enterrada sob a Antártica

Teria este sido o gatilho do evento “Great Dying” (A Grande Agonia) de extinção em massa (e de uma série de teorias de conspiração)?

Um satélite da NASA detectou uma anomalia gravitacional de 480 quilômetros de largura abaixo do gelo da Antártica, consistente com um gigantesco impacto de asteroides e com os fluxos vulcânicos das
províncias magmáticas siberianas, que continuaram por cerca de dois milhões de anos e duraram através da extinção em massa do Permiano-Triássico, entre 251 a 250 milhões de anos atrás. A cratera de impacto é estimada em cerca de três vezes o tamanho da cratera Chicxulub que terminou a época dos dinossauros e presumivelmente se formou antes da formação cretácea da costa leste da Antártica.

O Gravity Recovery e Climate Experiment (GRACE) foi uma missão conjunta da NASA e do Centro Aeroespacial Alemão, de março de 2002 a outubro de 2017. Medindo anomalias gravitacionais, o GRACE mostrou como a massa é distribuída ao redor do planeta e como ela varia com o tempo.

No entanto, uma descoberta na Antártica recebeu muito mais atenção do que o restante da missão. Em 2006, uma equipe de pesquisadores liderada por Ralph von Frese e Laramie Potts usou dados do GRACE para descobrir a anomalia abaixo do gelo. A equipe determinou que esta seria uma enorme cratera de impacto enterrada abaixo do gelo por milhões de anos, provavelmente causada por um asteroide.

Detalhes do New 2018 sobre o campo gravitacional da Antártica ao leste, obtidos pela missão GRACE, revelou uma anomalia proeminente de gravidade ao ar livre positiva sobre uma bacia enterrada de aproximadamente 480 quilômetros de diâmetro na Antártica, localizada no centro-norte da Terra de Wilkes.

Ela diluiu e rompeu extensivamente a crosta terrestre da Terra de Wilkes, onde o ponto quente de Kerguelen e a antiga fenda Gondwana se desenvolveram, mas deixaram o bloco australiano adjacente relativamente inalterado. Micrometeoritos e evidências fósseis sugerem que o impacto pode ter ocorrido no início da maior extinção da vida na Terra em ~ 260 Ma (Ma, ‘mega-annum‘, é um milhão de anos) quando as províncias magmáticas siberianas estavam no lado oposto do planeta.

O vulcanismo antipodal é comum em grandes crateras de impacto da Lua e de Marte, e também pode ser responsável por metade das grandes províncias ígneas e pontos quentes da Terra. Os dados da GRACE sugerem que o impacto pode ter desencadeado a ‘Grande Agonia’ no final do Permiano e contribuído para o desenvolvimento do ponto quente que produziu as províncias magmáticas siberianas e agora pode estar por baixo da Islândia.

O gelo glacial de até alguns quilômetros de espessura que cobriu a cratera nos últimos 30 a 40 milhões de anos apresenta dificuldades formidáveis ​​para que se extraia amostragens da geologia subglacial. Assim, o teste mais conveniente e viável da cratera em perspectiva é pesquisá-la quanto a gravidade aerotransportada relevante e anomalias magnéticas.

A anomalia, naturalmente, desencadeou uma série de teorias de conspiração de que bases secretas nazistas foram supostamente construídas lá durante a Segunda Guerra Mundial, com algumas evidências mostrando entradas em todo o continente, e que em 1991 a KGB divulgou documentos anteriormente secretos que lançam luz sobre a famosa Operação Highjump, a qual mostrava que a Marinha dos EUA fazia incontáveis ​​missões secretas na Antártica.

Outra alegação popular é que o almirante Richard E. Byrd realizou um projeto secreto com a Marinha dos EUA na década de 1940, que usou mais de 4.000 homens, 13 navios e 33 aeronaves, e a razão pública foi pesquisar a Antártica. “Mas o verdadeiro propósito era investigar uma entrada encontrada no centro do gelo que leva a uma ‘Terra interna”’.

(Fonte)


Como já evidenciado aqui neste site, a Antártica, pela sua posição inacessível à maioria dos seres humanos, é tema de muitas teorias e a maioria delas é infundada. Mas será mesmo que esta anomalia gravitacional explica todas essas teorias por completo?

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: