web analytics

Cientistas descobrem estruturas gigantes entre as nuvens de Vênus

Tempo de leitura: 2 minutos
Cientistas descobrem a estrutura de listras gigantes entre nuvens de Vênus (Imagem representacional)

Em um estudo atípico, uma equipe de cientistas japoneses encontrou uma gigantesca estrutura de listras entre as nuvens que cobrem o planeta Vênus, com base na observação da espaçonave Akatsuki. Os pesquisadores da Universidade de Kobe, no Japão, também revelaram as origens dessa estrutura, usando simulações climáticas em larga escala.

Vênus é frequentemente chamado de gêmeo da Terra por causa de seu tamanho e gravidade semelhantes, mas o clima em Vênus é muito diferente. Ele gira na direção oposta à Terra, e muito mais lentamente, cerca de uma rotação por 243 dias terrestres.

De acordo com o estudo, publicado na revista Nature Communications, a cerca de 60 km acima da superfície de Vênus, um vento veloz sopra a leste, circundando o planeta em cerca de quatro dias terrestres (a 360 km/hora), um fenômeno conhecido como superrotação atmosférica.

O céu de Vênus é totalmente coberto por espessas nuvens de ácido sulfúrico, localizadas a uma altura de 45 a 70 km, o que dificulta a observação da superfície do planeta a partir de telescópios e orbitadores baseados na Terra em torno de Vênus.

As temperaturas da superfície atingem 460 graus Celsius, um ambiente hostil para qualquer observação por sondas de entrada. Devido a estas condições, ainda há muitas incógnitas sobre os fenômenos atmosféricos de Vênus. Para resolver o enigma da atmosfera de Vênus, a nave espacial japonesa Akatsuki começou sua órbita de Vênus em dezembro de 2015.

Um dos instrumentos de observação da Akatsuki é uma câmera infravermelha ‘IR2’ que mede comprimentos de onda de dois micrômetros. Esta câmera pode capturar a morfologia detalhada dos níveis mais baixos das nuvens, a cerca de 50 km da superfície.

Os raios ópticos e ultravioleta são bloqueados pelas camadas de nuvens superiores, mas graças à tecnologia de infravermelha, estruturas dinâmicas das nuvens inferiores são gradualmente reveladas. Antes do início da missão da Akatsuki, a equipe de pesquisa desenvolveu um programa chamado AFES-Venus para calcular as simulações da atmosfera de Vênus.

Na Terra, fenômenos atmosféricos em todas as escalas são pesquisados ​​e previstos usando simulações numéricas, desde a previsão diária de tempo e relatórios de tufões, até as mudanças climáticas esperadas decorrentes do aquecimento global. Para Vênus, a dificuldade de observação torna as simulações numéricas ainda mais importantes, mas essa mesma questão também dificulta a confirmação da precisão das simulações.

(Fonte)


Há que diga, ao contrário do que a maioria dos cientistas dizem, que apesar daquilo que descrevem ser um ambiente climático impossível de sustentar a vida, Vênus possui esta vida, como já comentado antes aqui no OVNI Hoje:

n3m3