web analytics

Sonda da NASA foi a primeira a “experimentar” a água de Marte

Tempo de leitura: 4 minutos
"experimentar" a água de Marte
Ilustração da sonda Phoenix em Marte.

Em 25 de maio de 2008, a Phoenix Mars Lander, da NASA, abriu caminho na atmosfera marciana e aterrissou no pólo norte do Planeta Vermelho. A nave espacial fez história com seu braço robótico, que foi o primeiro a tocar e provar a água em Marte. Durante os três meses da sonda no Planeta Vermelho, Phoenix revelou uma quantidade sem precedentes de informações sobre o ambiente marciano.

“A Phoenix nos deu algumas surpresas, e estou confiante de que estaremos puxando mais preciosidades deste tesouro de dados por muitos anos”, disse o pesquisador Peter Smith, da Universidade do Arizona em Tucson em um comunicado de 2008, no final da vida da sonda.

“A Phoenix proporcionou um passo importante para estimular a esperança de que possamos mostrar que Marte já foi habitável, e possivelmente suportou a vida”, disse Doug McCuistion, então diretor do Programa de Exploração de Marte, na sede da NASA em Washington, D.C.

Uma missão “dura e arriscada”

Em 2002, a Mars Odyssey Orbiter da NASA revelou grandes quantidades de gelo de água no subsolo do ártico marciano. Por causa disso, a sonda Phoenix foi projetada para incluir um braço robótico capaz de cavar através da camada protetora do solo até o gelo de água abaixo.

A Phoenix também carregava um conjunto complexo de instrumentos, que eram versões melhoradas dos que voaram na missão perdida Mars Polar Lander.

Em 4 de agosto de 2007, a Phoenix foi lançada da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, na Flórida, a bordo de um foguete Delta II. Depois de uma viagem de nove meses, a espaçonave entrou na atmosfera marciana em 25 de maio de 2008.

“Esta não é uma viagem à casa da vovó”, disse Ed Weiler, então administrador associado do Diretório de Missões Científicas da NASA na sede da agência em Washington, D.C., à Space.com antes do pouso. “Colocar uma espaçonave em segurança em Marte é difícil e arriscado.”

Durante o que a equipe da espaçonave chamou de “7 minutos de terror”, Phoenix mergulhou na atmosfera marciana a cerca de 21.000 km/h, enquanto o controle da missão aguardava ansiosamente para ouvir que a espaçonave atingira o solo em segurança. Um pára-quedas da era Viking se abriu quando a espaçonave estava a 12,6 quilômetros da superfície, diminuindo a velocidade da descida. A Phoenix pousou com segurança na região das planícies árticas de Marte, chamada Vastitas Borealis, que era o norte mais distante que qualquer espaçonave pousou no Planeta Vermelho.

Acima e além

O braço robótico especializado da sonda Phoenix escavou uma camada rica em gelo para formar trincheiras rasas no terreno de Marte. O braço levou amostras do chão para os minúsculos fornos e o laboratório em miniatura a bordo da espaçonave. Amostras selecionadas foram aquecidas para liberar elementos que foram examinados por suas características químicas e físicas.

A Phoenix também carregava uma câmera estéreo em seu mastro de 2 metros. A câmera coletou mais de 25.000 fotos, incluindo vários panoramas abrangentes. Imagens também foram tiradas com o primeiro microscópio de força atômica usado fora da Terra.

A espaçonave Phoenix era uma sonda fixa e não um jipe-sonda e, como tal, nunca saiu de seu local de pouso. Ela permaneceu estacionária durante os três meses de sua missão principal e continuou a trabalhar por mais de dois meses adicionais. A sonda entrou em modo de hibernação depois que Marte chegou a um ponto em sua órbita, onde o Sol estava posicionado muito baixo no céu para continuar alimentando suas células solares. Naquela época, uma tempestade de poeira também bloqueava o pouco que a luz do Sol que conseguia perfurar as nuvens.

Mas a NASA não desistiu da pequena sonda ainda. A sonda Mars Odyssey Orbiter (uma sonda orbital), da agência, continuou a ouvir sinais enquanto voava sobre Phoenix. À medida que o Sol se erguia novamente nas planícies do norte vários meses depois, a Odyssey sobrevoou o local de pouso 10 vezes por dia durante três dias consecutivos em janeiro de 2009. Em seguida, participou de duas campanhas de escuta mais longas em fevereiro e março.

O hardware da sonda Phoenix não foi projetado para sobreviver às temperaturas extremas e camadas pesadas de gelo de um inverno rigoroso de Marte. A Phoenix foi programada para tentar fazer contato se conseguisse sobreviver, mas a espaçonave permaneceu em silêncio.

Quase uma década depois do fim da missão da Phoenix, o Mars Reconnaissance Orbiter da NASA tirou uma foto mostrando a sonda, o casco traseiro e o pára-quedas. Uma comparação da imagem com uma tomada logo após a aterrissagem da Phoenix mostrou que a poeira cobriu as cicatrizes de pouso da espaçonave anteriormente gravada na superfície marciana.

A ciência da Phoenix

O estudo da Phoenix sobre Marte resultou em uma longa lista de descobertas revolucionárias sobre o planeta. Um dos mais notáveis ​​ocorreu em 31 de julho de 2008, quando a sonda confirmou a presença de gelo de água em Marte, após coletar com sucesso uma amostra de solo contendo gelo de uma trincheira de 5 cm de profundidade. A descoberta histórica marcou a primeira vez que a água foi amostrada no Planeta Vermelho.

Mas a Phoenix não parou com a descoberta do gelo de água; também encontrou neve. Um instrumento de laser projetado para estudar a atmosfera do planeta detectou a neve das nuvens a cerca de 4 km acima do local de pouso da sonda , mas a neve se evaporou antes de tocar o solo.

“Nada como essa visão jamais foi vista em Marte”, disse o pesquisador Jim Whiteway em um comunicado de 2008. Whiteway, da York University em Toronto, foi o principal cientista da Estação Meteorológica da Phoenix, fornecida pelo Canadá. “Estaremos procurando sinais de que a neve pode até atingir o chão, disse ele.

De fato, os pesquisadores determinaram que, mais tarde, no inverno marciano, a precipitação provavelmente resultaria no acúmulo de gelo de água por sobre e dentro do solo.

A coleta de dados da Phoenix também sugeriu que o solo nas planícies árticas foi coberto com uma película de água líquida nos últimos milhões de anos. A evidência de água e nutrientes potenciais “implica que esta região poderia ter anteriormente encontrado os critérios de habitabilidade” durante partes de ciclos climáticos contínuos, escreveram pesquisadores em um artigo de 2009 publicado na revista Science.

A maior surpresa da missão foi a descoberta do perclorato no solo marciano. Um químico que atrai fortemente a água, o perclorato compõe alguns décimos de um por cento da composição de todas as três amostras de solo analisadas pelo laboratório de Phoenix. Essa água poderia ter sido extraída diretamente do ar úmido de Marte, ou a água líquida sob a crosta poderia ter combinado com sais como uma salmoura que permanece líquida nas temperaturas da superfície de Marte.

A sonda Phoenix escavou várias trincheiras na superfície de Marte após o pouso em 2008. Crédito: NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona / Texas A&M University

O legado da Phoenix

A sonda Phoenix forneceu uma visão sem precedentes sobre o vizinho mais vermelho da Terra, e a missão foi considerada um sucesso.

“Antes da Phoenix, não sabíamos se a precipitação ocorria em Marte”, disse Whiteway em um comunicado de 2009. “Sabíamos que a calota polar avançava para o sul até o local da Phoenix no inverno, mas não sabíamos como o vapor d’água se movia da atmosfera para o gelo no solo. Agora, sabemos que ele faz neve e que isso é parte do ciclo hidrológico em Marte”.

Embora a missão tenha acabado, o legado da Phoenix continua, pois os pesquisadores passarão os próximos anos desvendando ainda mais mistérios marcianos, explorando a riqueza de dados que a sonda forneceu.

(Fonte)


Certamente há muito ainda a ser descoberto nos dados enviados pela sonda Phoenix da NASA, e muitas dessas descobertas nunca chegarão ao público em geral, pois como pode ser visto no artigo abaixo, aquela agência espacial, cuja uma das missões prioritárias é a de encontrar vida fora da Terra, se contradiz muitas vezes:

n3m3