De fadas a alienígenas: seriam a mesma coisa?

Tempo de leitura: 3 min.

O escritor, palestrante e jornalista, Nick Redfern, novamente nos impressiona com a forma que aborda o sobrenatural.

Abaixo está um de seus artigos recentes, onde ele aborda a questão das fadas, nos relatando histórias (ou estórias, se preferir) a respeito desses míticos seres, que possivelmente podem ser associados aos alienígenas.

O artigo, se não mais que isto, vale pelas curiosidades que ele apresenta:

De fadas a alienígenas

As fadas dos tempos passados ​​estavam muito longe do que se poderia estar acostumado a ver em um cartão de Natal moderno. Ao contrário da crença de que as fadas crescem para menos de 12 a 15 centímetros de altura, as criaturas da antiguidade atingiam alturas semelhantes às de crianças pequenas – ou seja, cerca de 90 centímetros de altura. Elas foram mais frequentemente descritas como parecendo muito velhas, enrugadas e até mesmo sinistras. Elas viviam em subterrâneos escuros, em cavidades escuras, em montes que se abriam em vastas regiões cavernosas e sinuosas, e em domínios mágicos onde o envelhecimento era inexistente, a doença era desconhecida e, para todos os efeitos, a vida parecia continuar para sempre.

 Além disso, as pessoas pequenas – como fadas de todo o planeta – tinham uma obsessão com a reprodução humana: roubavam bebês recém-nascidos de seus berços, às vezes substituindo-os por um do seus, do tipo mágico. Era uma criatura chamada de ‘changeling‘, na maioria das vezes um bebê de fada, mas às vezes uma fada doente e muito velha. Em outras ocasiões, as fadas deixavam efígies, muitas vezes esculpidas em madeira, e conhecidas como “stock” ou “fetch”, que foram projetadas para parecer como um bebê. Em meros dias, no entanto, a efígie se degradaria, revelando que ela não era nada mais do que a madeira apodrecida de uma velha árvore. Não é necessário dizer que nenhuma dessas substituições oferecia qualquer tipo de conforto para os pais perturbados, que só queriam que seus filhos retornassem o mais rápido possível. Infelizmente, eles raramente eram retornados.

Havia uma razão muito boa para as fadas estarem tão concentradas em sequestrar bebês humanos: uma parte básica do folclore conta como as criaturas eram muitas vezes arruinadas em suas tentativas de se reproduzir, com abortos e deformidades quando se tratava de nascimentos de fadas Então, elas tentariam fortalecer seu estoque através da introdução de sangue novo: o nosso, para ser preciso. Geralmente, o bebê roubado, como um adulto, se casaria com a nobreza das fadas.

Neste mesmo caminho de melhorar o estoque de fadas, há inúmeras histórias em séculos de conhecimento celta de homens se tornando deslumbrados e fascinados por fadas – muitas vezes tarde da noite em estradas solitárias, ou nas profundezas de florestas silenciosas e encantadoras – e levados para o reino das fadas, onde eles se envolveriam em sexo com fadas, e geralmente com rainhas de fadas.

Em 1886, F.S. Wilde, um notável historiador do folclore celta e da mitologia, disse:

A rainha [das fadas] é mais bonita do que qualquer mulher na Terra, mas Finvarra [o rei das fadas] gostas mais das mulheres mortais e as agrada em seu palácio de fadas pelo sutil charme da música das fadas, pois ninguém que já tenha ouvido isso pode resistir ao seu poder, e elas estão destinadas a pertencer às fadas para sempre. Seus amigos choram por elas como mortos com muita lamentação, mas na realidade elas estão levando uma vida alegre no coração da colina, no palácio de fadas com as colunas de prata e as paredes de cristal.

Então há a questão do que poderíamos chamar de “tempo perdido”. Uma coisa, mais do que qualquer outra, confirmou um encontro com as fadas: quando a pessoa – ou, talvez, “a vítima” seja um termo melhor para usar – que havia encontrado esses seres mágicos e foram devolvidos ao nosso mundo, descobriram que dias, semanas ou até mesmo anos se passaram, apesar de terem absoluta certeza em suas próprias mentes que a passagem do tempo era de poucas horas. 

Um exemplo clássico disso é a história do século XIII de Thomas o Rimador, um bardo de Berwickshire, na Escócia. Enquanto caminha, sozinho, uma noite, às margens do Líder da Água, Thomas é confrontado pela mulher mais linda que já encontrou em sua vida, sentada em cima de um enorme cavalo branco. Seu cabelo é dourado e seu manto verde é adornado com jóias preciosas e cintilantes. Ela se apresenta como ninguém menos que a rainha das fadas. Thomas, praticamente hipnotizado por sua beleza, pede um beijo. A rainha concorda, mas exige que, em troca, Thomas deva viajar com ela para o reino das fadas, onde ele irá servi-la – o que significa sexo. Ele concorda ansiosamente. Para Thomas, parece que não passaram mais de três dias quando ele é devolvido ao nosso mundo. Ele está, no entanto, aterrorizado ao descobrir que não menos de sete anos se passaram. Tão apaixonado pela rainha – que lhe deu o dom da profecia – Thomas finalmente retorna ao reino das fadas para viver o resto de seus dias, talvez não mais capaz de se relacionar com o nosso mundo, depois de ver o que está além do véu. 

Uma história semelhante, do século XIX, fala de dois galeses, Llewellyn e Rhys, que estavam andando para suas casas tarde da noite, quando ouviram o som de música encantadora e hipnótica. Enquanto Rhys estava fascinado por ela, Llewellyn não estava: ele sabia que era a arrepiante chamada das fadas, e que ouvir a música por muito tempo levaria alguém a cair sob o feitiço das pessoas pequenas. Rhys recusou-se a ceder; Llewellyn fugiu. No dia seguinte, Llewellyn timidamente retornou à cena e encontrou, para sua surpresa e preocupação, Rhys dançando descontroladamente no que foi chamado de “um círculo de fadas“. Apesar do passar do dia, Rhys tinha certeza de que ele só estava dançando por meros minutos.

 Há outro fator que entra em jogo aqui: a questão de entidades pequenas e diminutas, de natureza sobrenatural, exibindo uma obsessão um tanto mórbida por bebês recém-nascidos e reprodução humana, e que têm a capacidade de deixar o indivíduo visado com um senso distinto de ‘perder noção do tempo’, são fatores básicos do que hoje se tornou conhecido como ‘abduções por extraterrestres’.

É claro que não há nada de novo nisso: veja o trabalho de Jacques Vallee, particularmente o Passport to Magonia, um livro que eu acho que se aproxima mais da verdade do fenômeno OVNI do que a maioria.

(Fonte)


n3m3

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

JAMAICANA DIZ QUE PODE VER A MORTE

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.