NASA anuncia retorno à Lua pela primeira vez em 50 anos

Tempo de leitura: 2 minutos

NASA anuncia retorno à Lua pela primeira vez em 50 anos

A NASA divulgou um vídeo oficialmente marcando suas intenções de levar os astronautas de volta à Lua e viajar além, enviando as primeiras missões tripuladas a Marte. Os americanos não colocam os pés na superfície rochosa da Lua desde a missão Apolo 17 em 1972. Faz quase meio século, enquanto nossa compreensão do sistema solar cresce a passos largos todos os dias. Vai ser bom estar de volta.

As engrenagens para uma nova missão à Lua têm girado desde que o presidente Trump assinou a Diretiva  da Política Espacial-1, quase um ano atrás. Essa diretiva incumbiu a NASA de liderar “um programa inovador e sustentável de exploração com parceiros comerciais e internacionais para possibilitar a expansão humana em todo o sistema solar, e para trazer de volta à Terra novos conhecimentos e oportunidades”. O presidente prosseguiu revelando seus planos para uma nova filial das forças armadas dos EUA, uma ‘Força Espacial‘ que protegeria os ativos americanos além da atmosfera. Parece que a corrida espacial está de volta.

Em setembro, a NASA divulgou seu plano de cinco etapas para retornar à Lua, o qual promete pousos humanos no final dos anos 2020. Exploração da Lua também informará nossos empreendimentos a Marte; a NASA planeja enviar missões tripuladas para lá nos anos 2030. Isso tudo nos leva ao novo vídeo da NASA, que torna a missão acessível para os americanos, enquanto lança frases inspiradoras como ‘espírito pioneiro’ e ‘espírito humano’ e ‘marinheiros de estrela’. Narrado pelo ator Mike Rowe de Dirty Jobs (claro), é muito legal.

(Para informações de como ativar a legenda em português do vídeo abaixo, embora ela não seja precisa e possa não funcionar em dispositivos móveis, clique aqui):

Às vezes, a propaganda do governo pedindo forte liderança americana no sistema solar é divertida.

(Fonte)


Cá entre nós, já deveriam ter retornado há muito tempo. A Lua possui riquezas inestimáveis para a indústria humana, e não feriríamos a Terra explorando a superfície árida do nosso satélite natural.

Será que já não estão lá, como muitos alegam, ou nem sequer chegaram, como alegam outros?

n3m3