web analytics

China, Rússia, Coréia do Norte e Irã preparam Ataques por Pulso Elétromagnético aos Estados Unidos

Tempo de leitura: 5 minutos

O OVNI Hoje está de olhos nas ações dos macacos beligerantes chamados humanos, pois, aparentemente, não é só este site que está de olho, mas também nossos visitantes de fora, considerando-se todas as notícias de avistamentos de OVNIs em bases militares ao redor do mundo.

Veja mais esta notícia, que pode significar que não conseguiremos chegar na Data Limite, até a qual, se não tivermos uma guerra mundial, supostamente, os extraterrestres poderão se manifestar de forma mais aberta. Mas esta questão ainda é muito discutível.

Ataques por Pulso Elétromagnético

China, Rússia, Coréia do Norte e Irã estão preparando ataques nucleares por pulsos eletromagnéticos a partir do espaço em um futuro conflito para enfraquecer os militares dos EUA e mergulhar aquele país na escuridão, de acordo com um estudo anteriormente secreto.

“A infra-estrutura nacional crítica dos Estados Unidos enfrenta uma ameaça existente e contínua de guerra de armas combinadas, incluindo ataque de pulso eletromagnético (de sigla em inglês, EMP) fabricado pelo homem e EMP natural de uma tempestade solar”, diz um relatório recentemente publicado pela Comissão do Congresso para avaliar ameaças aos Estados Unidos de ataques de pulsos eletromagnéticos (EMP).

Antes uma preocupação de um ataque surpresa da Guerra Fria vindo da Rússia para encerrar as comunicações das forças nucleares americanas, a disseminação de armas nucleares aumentou o perigo de ataques EMP destruidores de uma explosão nuclear na alta atmosfera.

“Na última década, novos adversários com armas nucleares, incluindo a Coréia do Norte, vêm desenvolvendo suas capacidades e ameaçando realizar um ataque de EMP contra os EUA”, disse o relatório.

Tal ataque daria aos países que têm apenas um pequeno número de armas nucleares a capacidade de causar danos generalizados e duradouros às infraestruturas nacionais críticas dos EUA, aos próprios Estados Unidos como um país viável e à sobrevivência da maioria da sua população.

O relatório, contendo as redações solicitadas pelo Pentágono, foi escrito por William R. Graham, presidente da Comissão EMP, considerado um dos maiores especialistas em EMP. Graham ajudou a descobrir o fenômeno depois de um teste nuclear atmosférico dos EUA em 1962, perto do Havaí.

EMP é uma explosão de energia eletromagnética de uma tempestade solar ou explosão nuclear, capaz de desativar ou destruir dispositivos eletrônicos em grandes áreas.

O relatório é baseado em informações até junho de 2017 e revela que tanto a Rússia quanto a China estão bem adiantadas no desenvolvimento de planos para usar EMP como parte de conceitos avançados de combate, os quais combinam o uso de EMP nuclear e não nuclear com cyber e outros recursos de guerra eletrônica.

O relatório também alerta sobre vulnerabilidades para a rede elétrica dos Estados Unidos contra um EMP de explosão nuclear e uma tempestade solar devastadora, como o evento de Carrington de 1859, o qual gerou um EMP natural generalizado que se ocorresse hoje causaria blecautes em massa nas redes elétricas e outras infraestruturas de suporte à vida.

Uma enorme tempestade solar quase atingiu o planeta em julho de 2012, que segundo o relatório teria causado um apagão elétrico de longo prazo em todo o mundo, com consequências potencialmente catastróficas.

“A recorrência de outro evento de Carrington é inevitável”, disse o relatório.

Em relação ao EMP nuclear, o relatório afirma que China, Rússia e Irã consideram o uso de explosões nucleares de alta altitude como “guerra de sexta geração” que poderia prejudicar a capacidade militar dos EUA de guerrear usando sistemas eletrônicos avançados para inteligência, navegação e
orientação de armas de precisão.

“O ataque nuclear EMP faz parte das doutrinas militares, planos e exercícios da Rússia, China, Coréia do Norte e Irã para uma nova forma revolucionária de guerra contra forças militares e infraestruturas críticas civis por meio sabotagem e EMP”, disse o relatório.

Como os danos são limitados a componentes e sistemas eletrônicos, os líderes inimigos não consideram um ataque EMP como um ato de guerra nuclear que traria retaliações nucleares nos EUA.

O relatório afirma:

Potenciais adversários entendem que milhões podem morrer devido aos efeitos colaterais de longo prazo de EMP e ataques cibernéticos que causam o apagão prolongado das redes elétricas nacionais e outras infraestruturas críticas que sustentam a vida.

Pelo menos alguns consideram esse método relativamente fácil, potencialmente anônimo, de infligir destruição em massa como uma característica atraente do que descrevem como uma Revolução em Assuntos Militares.

O relatório pede ao Pentágono para desenvolver suas próprias armas EMP que possam ser construídas a partir de armas nucleares de baixo rendimento e mísseis guiados de precisão.

O presidente deveria determinar que uma opção nuclear limitada para ataque a EMP seja incluída nos planos de ataque nuclear dos EUA, para impedir que estados estrangeiros desenvolvam armas EMP.

De particular preocupação, de acordo com o relatório, são dois satélites norte-coreanos atualmente em órbita polar sobre os Estados Unidos. Os dois satélites, lançados em 2012 e 2016, atualmente viajam em trajetórias que são “consistentes com a prática ou preparação para um ataque EMP nuclear surpresa”, diz o relatório.

As órbitas polares dos satélites permitem que eles evitem a detecção por satélites e sensores de defesa antimísseis dos EUA – um sinal de que poderiam ser usados ​​durante o primeiro estágio de um ataque nuclear norte-coreano para atrapalhar as defesas contra mísseis dos EUA no Alasca e na Califórnia.

Os satélites, KMS-3 e KMS-4, parecem ser similares a uma arma secreta da era soviética chamada Sistema de Bombardeio Orbital Fracionário que Moscou planejou para um ataque nuclear surpresa nos Estados Unidos sobre os polos.

Dois generais russos aposentados testemunharam à comissão EMP em 2004 que um projeto para uma arma super-EMP russa foi transferido para a Coreia do Norte por cientistas e engenheiros russos que trabalham no programa de mísseis e armas nucleares da Coréia do Norte.

Os russos afirmaram que os norte-coreanos poderiam testar uma arma super EMP em poucos anos.

Os braços do EMP da China foram discutidos em escritos militares chineses em 2016.

O Comitê de Política de Segurança Nacional da China, declarou em janeiro de 2016 que “bombas de pulso eletromagnéticas” irão “mudar as regras do jogo” ao interromper a precisão militar das capacidades de guerra dos EUA.

Os planos militares russos para usar ataques EMP foram traçados no relatório para o general Vladimir Slipchenko e seu livro Non-Contact Wars (Guerras Sem Contato), que convoca ataques cibernéticos, ataques físicos e ataques EMP contra redes elétricas.

Um jornal do Estado-Maior da Rússia em 2011 também afirmou que as forças militares dos EUA são vulneráveis ​​a ataques eletrônicos e EMP.

Os escritos militares iranianos seguem a abordagem da Rússia em relação à guerra e ao uso do EMP.

Um livro de instruções militar iraniano de 2010 afirma que o Irã, em um futuro conflito, está planejando ataques coordenados por EMP nucleares e não nucleares, armas cibernéticas e físicas para causar falhas e colapso de nações inteiras. A doutrina militar iraniana considera os ataques nucleares EMP como a definitiva arma cibernética.

O Irã também está construindo defesas contra ataques de EMP para sua infraestrutura.

O relatório afirma que o Irã pode preferir usar o método indireto de causar baixas em massa usando um ataque EMP nuclear como forma de conduzir uma guerra nuclear sob a lei islâmica.

As armas EMP não nucleares, aquelas que estão limitadas a um alcance de menos de um quilômetro e meio, também já foram usadas para interromper as redes elétricas de comunicações, disse o relatório.

A Coréia do Norte usou uma arma de rádio frequência comprada da Rússia para atacar aviões e o tráfego aéreo para Seul, na Coréia do Sul.

O relatório também aponta para críticos que tentaram minimizar o perigo de ataques com EMP e super tempestades solares como sendo ficção científica.

O relatório disse que os críticos muitas vezes são desinformados, porque ou não têm conhecimento dos efeitos dos testes nucleares de alta altitude da União Soviética e dos EUA no início dos anos 1960, ou não sabem sobre o extenso corpo de testes e análises realizados pelo Pentágono nos últimos 55 anos.

Um mito popular difundido por céticos do EMP é que o teste nuclear atmosférico de 1962, conhecido como Starfish Prime, a 900 km do Havaí, causou apenas uma interrupção mínima em Honolulu.

“Na verdade, o EMP derrubou 36 fios de iluminação pública, fez com que uma estação retransmissora de telecomunicações falhasse, queimasse as ligações de rádio de alta frequência, acionasse os alarmes e causasse outros danos”, disse o relatório.

O relatório também critica a Federal Energy Regulatory Commission e a North American Electric Reliability Corp. e a indústria de energia elétrica por falhar em lidar com o perigo de EMP contra ataques ou tempestades solares.

A indústria privada também não conseguiu entender a ameaça representada pelo EMP aos transformadores de alta voltagem.

Peter Pry, um ex-membro da Comissão EMP, disse que o Pentágono não publicou nenhuma descoberta da comissão desde que a comissão foi restabelecida pelo Congresso em 2016.

Como resultado, o novo relatório foi produzido pela Força-Tarefa EMP privada…

(Fonte)


Será que, ao invés de uma preocupação como bem estar da raça humana, a relatada preocupação dos extraterrestres quanto aos armamentos nucleares na Terra não tem a ver com esses pulsos eletromagnéticos, os quais podem danificar alguns dos seus equipamentos?

Provavelmente não, pois se ele são tão avançados tecnologicamente como se pode concluir devido a forma com que suas naves operam, eles já solucionaram este problema. Mas mesmo assim, é algo para se pensar.

n3m3