web analytics

Evidência de água transitória em Marte é confirmada… de novo

Tempo de leitura: 2 minutos

Embora a própria NASA já tenha anunciado em 2015 que há água fluindo na superfície marciana, parece que os cientistas não chegam à uma conclusão sobre isso. Mas agora um novo estudo confirma essa possibilidade:

água transitória em Marte

Listas escuras nos declives da Cratera Garni são provavelmente formadas pelo fluxo de água na superfície de Marte (Foto: NASA/JPL-Caltech/Univ. do Arizona via Getty Images)

Marte era capaz de suportar a vida por muito mais tempo do que se acreditava anteriormente, dizem cientistas que descobriram ‘auréolas’ de rocha sólida em sílica no planeta vermelho.

Mas agora, um novo estudo forneceu uma evidência dramática de água líquida transitória – um elemento-chave na busca da vida fora do nosso planeta – e seu papel na interação diária entre sais de superfície e a atmosfera marciana.

Isto tem profundas implicações astrobiológicas já que a vida, como a conhecemos, depende da água.

Em um novo estudo publicado na Nature Communications, simulamos as condições atmosféricas em Marte para descobrir como essas características poderiam ter ocorrido sem um grande fluxo de água. Por exemplo, os cientistas fizeram suposições sobre o orçamento de água necessário para formar as chamadas ‘linhagens de declive recorrentes’ – faixas escuras na superfície, que aparecem anualmente (687 dias) durante as temperaturas máximas, e que se dissolvem em meses mais frios na superfície marciana . Mas a água necessária para criar esses recursos seria muito alta para vir do clima marciano a cada ano.

Nas experiências, é possível transportar sedimentos descendo uma encosta sem a necessidade de tanta água. Os pesquisadores fizeram isso usando a Mars Simulation Chamber, equipamento especializado capaz de simular as condições atmosféricas em Marte.

Cerca de 3,8 bilhões de anos atrás, quando a temperatura do Planeta Vermelho era mais quente, a água líquida fluía amplamente por todo o planeta, moldando sua superfície como observada em leitos de rios, deltas, ilhas em forma de lágrima, etc.  A atual paisagem frígida e seca parece aparecer ser desfavorável para a vida microbiana, exceto talvez, na subsuperfície das marcas escuras nos declives documentados nas regiões equatoriais que ganham e perdem calor rapidamente, dizem estudos geográficos em Marte.

Até recentemente, a hipótese predominante para a criação dessas características de inclinação era o fenômeno do ‘movimento de massa seca’, onde as avalanches de poeira e as rochas seriam desencadeadas por distúrbios locais, talvez terremotos ou impactos de meteoro. Alternativamente, as linhas na inclinação poderiam ter sido criadas pelo fluxo de detritos úmidos quando o gelo derrete.

A equipe de pesquisa, liderado pelo Dr. Anshuman Bhardwaj, um glaciologista, argumenta que os modelos existentes falham ao estudarem os terrenos análogos na Terra.

O Dr. Bhardwaj comenta:

Com os dados de sensoriamento remoto disponíveis e simulações climáticas, estamos muito confiantes sobre os mecanismos que propusemos. A razão pela qual temos alta confiança é que os resultados não se baseiam apenas nas observações e medidas visuais, mas também são apoiados por resultados de testes geo-estatísticos muito significativos em escala global, pela primeira vez.

Além disso, o fato de que as características das marcas em inclinações análogas que encontramos na Terra estão todas relacionadas aos fluxos úmidos, é uma forte sugestão de um mecanismo similar em Marte.

O objetivo da missão do jipe-sonda Curiosity foi ode descobrir se Marte foi alguma vez habitável, e tem tido muito sucesso em mostrar que a cratera Gale já segurava um lago com água que até mesmo poderíamos beber, mas ainda não sabemos quanto tempo esse ambiente habitável durou.

(Fonte)

Veja o que a NASA falou antes:

NASA confirma a existência de água líquida na superfície de Marte. Possibilidade da existência de vida aumenta

n3m3