web analytics
Tempo de leitura: 2 min.

Esta bactéria ama mais a Estação Espacial do que a Terra

Tempo de leitura: 2 min.

bacteria-585x306O astronauta Scott Kelly diz ter gostado de viver na Estação Espacial Internacional (sigla em inglês – ISS) por quase um ano, mas os testes de volta à Terra mostram que seu corpo discorda de sua declaração.  Mas este não é o caso com uma bactéria que na verdade prospera dentro da ISS.  Seria ainda muito cedo para fazer um filme sobre isto?

O Projeto MERCCURI (Microbial Ecology Research Combining Citizen and University Researchers on ISS) é o trabalho da Universidade da Califórnia, e uma ação um tanto anormal entre organizações científicas e públicas, inclusive a Science Cheerleader – que é um grupo de cheerleaders (animadoras de torcidas) antigas e atuais que estão tentando seguir uma carreira em ciência e matemática.

cheerleaders-2-570x339
Science Cheerleaders

O Projeto MERCCURI envolve o envio de 48 tipos diferentes de bactérias terrestres à ISS, para ver como elas crescem sob as condições da estação espacial.  De acordo com o Dr. David Coil, microbiólogo da Universidade da Califórnia em Davis e autor do estudo publicado no PeerJ, as cheerleaders tiveram um pronto acesso à uma variedade de bactérias, devido ao fato de trabalharem em lugares com armários de vestiários, os quais são bem parecidos com a ISS.

O ambiente morno, úmido e rico em oxigênio da ISS é bem diferente do vácuo do espaço.

Após um período de tempo na ISS, 47 das 48 bactérias provaram que o Dr. Coil estava certo, pois se comportaram exatamente como elas teriam se comportado aqui na Terra no piso de um chuveiro, ou dentro de um tênis fedorendo.

A exceção foi o micróbio chamado de Bacillus safensis, que cresceu 60% mais no espaço do que na Terra.  Se esse nome for familiar, B. safensis foi primeiramente descoberto na espaçonave e nas superfícies de montagem do Centro Espacial Kennedy na Flórida, e no Laboratório de Propulsão Espacial da NASA, na Califórnia.  Infelizmente, estas bactérias foram descobertas após os jipe sondas, que foram expostas a ela, terem sido enviados a Marte em 2008. (Olha aqui a perfeita desculpa da NASA para alegar que a vida microbiana encontrada em Marte veio da Terra com os jipes-sonda.)

O destino da B. safensis possivelmente enviada à Marte é desconhecido.  A causa de seu crescimento anormal dentro da estação espacial está sendo estudada, como também está sendo seu genoma sequencial, que foi recentemente determinado.

O Dr. Coil explica o porquê:

“A compreensão de como os micróbios se comportam em microgravidade é criticamente importante para o planejamento de voos espaciais tripulados de longa duração, e também tem a possibilidade de fornecer novas visões de como estes micróbios se comportam em ambientes construídos por humanos na Terra.”

n3m3

Fontemysteriousuniverse.org

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!