Descoberta a causa primeira do aparecimento da vida no Universo

Tempo de leitura: 2 min.

O seguinte artigo, de Aliona Rakitina, foi recém publicado no site A Voz da Rússia:

A-vida-no-UniversoCientistas russos e italianos apresentaram os resultados de investigações conjuntas sobre o mecanismo de nascimento da vida no Universo numa conferência realizada no passado dia 19 de fevereiro, na embaixada da Itália em Moscou.

Evgueni Krasavin, diretor do Laboratório de Biologia Radioativa do Instituto Unido de Estudos Nucleares em Dubna, e o professor Ernesto Di Mauro, da Universidade de Roma Sapienza, contaram como, graças a complexas experiências, eles conseguiram criar os processos químicos que levaram a compostos pré-biológicos como ácidos graxos e ácidos nucleicos de ARN. Considera-se que eles são precisamente o “material de construção” fundamental para o aparecimento de organismos vivos.

Os estudos foram realizados em exemplares de meteoritos. Pois os materiais de origem espacial são precisamente os componentes mais ativos para a realização da síntese química necessária. No laboratório, os cientistas tiveram de modelar as condições espaciais para compreender como dispara o mecanismo de aparecimento de compostos pré-biológicos. Para isso, amostras de meteoritos foram sujeitas à ação de partículas carregadas nos aceleradores do Instituto Unido de Estudos Nucleares (IUEN).

Além disso, os cientistas assinalaram que, atualmente, no espaço foram detetadas cerca de 80 moléculas orgânicas. As mais frequentes entre elas são as moléculas de ácido cianídrico (HCN). Quando esse ácido entra em contato com a água, forma-se formamida. Esta é encontrada no pó espacial, nas caudas dos cometas. E precisamente dela podem surgir ácidos graxos e nucleicos, que, como é sabido, são a base da membrana das células.

O professor Krasavin explicou a essência da experiência conjunta russo-italiana:

“Foi realizada a radiação de sistemas dispersos de pó meteorítico e formamida, e, depois, estudou-se o que se formou. A radiação apenas da formamida dá origem a alguns produtos, mas quando da radiação de protões com substância de meteoritos, obtemos aqui absolutamente tudo: ARN, diversos açúcares. Aqui existem todos os elementos para construir macro-moléculas informativas e, nas etapas iniciais, para garantir o metabolismo.”

Isso significa que a vida podia formar-se nos mais diferentes cantos do Universo, tal simultaneamente, como em tempos diferentes. Não se pode excluir que continuem a ocorrer hoje semelhantes processos de nascimento da vida.

O professor Ernesto Di Mauro, ao falar à Voz da Rússia, dos estudos realizados, assinalou:

“Todos os componentes essenciais no metabolismo são formados espontaneamente. E assim não há necessidade nem de intervenção divina, nem, especialmente, uma química complicada. A vida é muito fácil de organizar. E isso já é uma forte mensagem.”

Resumindo, não só os cientistas da Itália e da Rússia, mas também todos nós nos aproximamos da descoberta do grande segredo da criação da vida.

Na realidade, o título do artigo deveria ser: “É mais do que óbvio que a vida pode estar presente em todo o Universo”.

Após tantas constatações de que a vida não é exclusividade da Terra, quem continuar insistindo que ela só ocorre aqui neste pequeno planeta entre bilhões deles somente em nossa galáxia, é porque lhes convém afirmar o contrário, seja por conveniência política/religiosa, ou seja por obtusidade mesmo.

n3m3

Colaboração: Glorianv

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.