‘Cachoeiras de sangue’ da Antártica podem ser indicação de que a vida existe em planeta inóspitos

Tempo de leitura: < 1 min.
Cachoeira da vida (clique na foto para ampliá-la).

Um dos fenômenos mais espetaculares da Antártica, chamado de ‘Cachoeiras de Sangue’, têm sido um mistério desde que foram descobertas em 1911.

Estas inesperadas e enormes nascentes d’água que saem de uma geleira podem ser visitadas na Geleira Taylor.  Primeiramente, os cientistas pensavam que a coloração era devida a algum tipo de alga vermelha, mas as pesquisas mostraram que a cor da água era causada por algo ainda mais espetacular.

Acontece que debaixo da geleira se encontra um pequeno lago, que foi encoberto pela mesma há 2 milhões de anos.  Assim, a geleira age como uma cápsula do tempo ativada pela natureza, selando micróbios antigos nas profundezas do lago.  Estas formas invisíveis ao olho nu sobreviveram sem oxigênio, luz ou calor por todo este tempo e são consideradas o “lodo primordial” do qual todas as coisas vivas da Terra se originaram.

As ‘Cachoeiras de Sangue’ são a prova viva de que a vida pode ser encontrada nos ambientes mais extremos; provavelmente também em outros planetas onde a ciência tem declarado serem muito inóspitos para tal.

E se você achou que este artigo foi colocado aqui propositalmente após falarmos da chuva vermelha que está prevista para cair na Grã-Bretanha, acertou em cheio.

n3m3

 

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.