Nova técnica para a procura de vida fora da Terra é desenvolvida por astrônomos

Tempo de leitura: 2 min.

De acordo com o site do Estadão, uma equipe internacional de astrônomos desenvolveu uma nova técnica para determinar indícios de vida em outros planetas por meio da qual analisa a luz terrestre refletida na Lua, o que poderia superar dificuldades de métodos convencionais.

Os resultados do teste foram publicados na revista científica “Nature”. O método estudou a Terra como se ela estivesse fora do sistema solar, e a observou não de forma direta, mas por meio do reflexo que o planeta projeta sobre seu satélite.

A equipe observou o fenômeno com o telescópio de longo alcance VLT (por sua sigla em inglês), situado no Deserto do Atacama, no Chile.

O sol brilha sobre a Terra e sua luz se reflete por sua vez sobre a superfície lunar; o satélite, portanto, atua como um grande espelho que devolve a luz terrestre de volta para nós, detalhou o pesquisador do Observatório Europeu Austral e principal autor do estudo, Michael Sterzik.

Os investigadores procuraram indicadores, como por exemplo certas combinações de gases na atmosfera terrestre, que são considerados indícios de vida orgânica, como a presença simultânea de metano, vapor de água e oxigênio.

Ao contrário de pesquisas anteriores, a nova técnica explora a polarização. Quando a luz se polariza seus campos magnético e elétrico têm uma orientação determinada (as ondas vibram numa direção concreta).

Precisamente, o que os investigadores mediram neste trabalho é como luz se polariza dependendo da superfície sobre a qual se reflete, explicou a Efe Enric Pallés, do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC), que também faz parte do estudo.

Dependendo da superfície, gelo, nuvens, terra ou oceanos, a superfície se polariza num grau e cor determinado.

O grupo analisou a luz que refletia a Terra sobre a Lua como se fosse a primeira vez que vissem o planeta e essa luz indicou que a atmosfera terrestre é parcialmente nublada, que parte de sua superfície está coberta por oceanos e outro “dado crucial”: existe vegetação.

Os cientistas puderam inclusive detectar mudanças que se produzem na cobertura das nuvens da Terra e na quantidade de vegetação em diferentes partes do planeta (tudo isso com o reflexo sobre a Lua).

Esta nova forma de buscar vida extraterrestre busca superar métodos convencionais: a luz de um planeta distante é muito difícil de se analisar porque é eclipsada pelo brilho da estrela que o ilumina…

Para ler o restante da reportagem, favor acessar o site de origem, clicando no link a seguir: www.estadao.com.br

n3m3

Fonte da notícia: www.estadao.com.br

Colaboração: Lumist

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.