Explosão na Argentina ainda é mistério

Tempo de leitura: 3 min.

Em 26 de setembro passado, publicamos aqui no OVNI Hoje um artigo (“Coisas” caindo do céu), o qual mencionava sobre um possível meteoro ter causado a explosão que matou 1 mulher e feriu outras oito pessoas, destruindo casas e carros.

destruccion

Foi reportado na “mídia convencional” por todo o mundo que um vazamento de gás teria causado o evento, inclusive com a polícia prendendo um jovem que alegou ter filmado o meteoro, por falso testemunho.

Contudo, moradores daquela vizinhança ainda hoje contestam as declarações das autoridades.

Veja abaixo duas reportagens, a primeira do site argentino tn.com.ar, publicada um dia depois do evento (27/9), e a segunda mais recente (02/10) do estadao.com.br, ambas dando respaldo ao fato de que as autoridades estariam escondendo algo:


Os moradores de Esteban Echeverría, indignados

Terça-feria, 27 de setembro de 2011 | 20h01

Foto de suposto meteoro forjado.

Não crêem na versão oficial sobre a explosão, a qual diz que a mesma foi provocada por um vazamento de gás.  “Não estamos todos bêbados“, afirmaram.

Os moradores de Esteban Echeverría não encontram explicações para a explosão que ocorreu ontem (26/9) em uma casa.  Pelo contrário, apoiam a teoria de que “algo caiu do céu” e defendem a pessoa que foi detida por falso testemunho, a qual tirou uma foto, que logo foi declarada ser forjada.

Ninguém nos da uma solução. Não foi um vazamento de gás, foi uma tremenda explosão que sentimos“, afirmam no bairro, enquanto sustentam que “foi algo de acima” e não uma explosão interna.

Um dos moradores se queixou que quando se aproximou para denunciar o que havia visto lhe perguntaram se ele havia bebido. “Não estamos todos bêbados.  Todos nós vimos o mesmo“, afirmam e asseguram: “A foto é real“…

——

Esconderam o meteorito

Cometa? Satélite? OVNI perdido? Botijão de gás? Explosão na Grande Buenos Aires tem os tons de mistério da ocorrida na Sibéria em 1908

Domingo, 02 de outubro de 2011, 07h36

ARIEL PALACIOS

Agentes da polícia científica procuram radiação entre os escombros. Foto: Leo La Valle/ EFE

Criadora de cães yorkshire, astróloga e jogadora de tarô. Essas são as credenciais de Andréa Gabriel, moradora da empoeirada Avenida Los Andes, no periférico bairro Lomas de El Zaizar, no suburbano distrito de 9 de Abril, no modesto município de Esteban Echeverría, na empobrecida zona sudoeste da Grande Buenos Aires. Em pé, no portão do jardim, ela aponta o indicador para o céu e confidencia: “O governo está encobrindo alguma coisa“. Com o mesmo dedo, agora voltado para a outrora pacata esquina da Rua Luis Vernet, acrescenta: “Algo caiu ali e provocou a explosão“. Em seus braços. Llao – um yorkshire de 1,5 kg com aspirações a pitbull – late alto, como confirmando a informação da dona new age.

Mas o que foi que se espatifou ali?“, pergunto. Marcela Cruz, amiga de Andréa, intervém: “Fale olhando para ela“. Viro o rosto para Andréa e repito a pergunta. Ela retoma: “Algo… Um meteorito, uma partícula do espaço. E o governo quer apresentar a coisa como uma explosão de gás“, diz, levantando a sobrancelha. “Mas sabemos que não foi isso. Não estamos todos loucos neste bairro.

Por sua surdez, Andréa, ao contrário dos outros moradores, não ouviu a explosão que na madrugada da segunda arrasou duas casas e uma loja, deixou três carros com rodas para cima e rachou paredes de outras 15 residências. Uma peruana morreu soterrada. Oito pessoas tiveram ferimentos leves.

Mas Andréa viu uma luz intensa – “eram 2h30 e parecia dia” – e na sequência “sentiu” a vibração que estilhaçou as janelas de sua casa, a cinco quarteirões do epicentro de um fenômeno para o qual até sexta não havia explicação das autoridades argentinas.

Horas antes da explosão, Llao e a cadela Mara vomitaram. “Eles nunca vomitam, pressentiram alguma coisa“, garante Andréa, sugerindo um misterioso vínculo entre a “partícula” espacial e o sensível sistema gástrico canino…

Para ler o restante da reportagem, favor acessar o link estadao.com.br.

Seja lá o que foi que aconteceu em Esteban Echeverría em 27 de setembro, ainda há muito que ser explicado, principalmente quando as declarações oficiais diferem substancialmente do que foi declarado pelas testemunhas.

Contudo, sabendo como os governos operam pelo mundo todo, talvez nunca teremos uma resposta concreta para este mistério.

n3m3

Fontes: tn.com.ar, estadao.com.br.

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.