Testemunha do estado de Dacota do Sul, EUA, relata encontro com EBE (Entidade Biológica Extraterrestre)

Tempo de leitura: 2 min.

Para os que gostam de histórias bizarras de alienígenas, postamos aqui um relato de uma testemunha que alega ter tido um contato imediato com pelo menos uma criatura, digamos assim, fora do normal.

O artigo foi publicado pelo The Canadian, que é uma publicação eletrônica dedicada às notícias que não são ‘tocadas’ pela mídia convencional.

Se considerarmos as leis da física (como a conhecemos), o relato parece muito extraordinário para ser verdade, e sinceramente pode até ter sido um produto da imaginação da testemunha, cujo nome não foi publicado.

Mas quem pode afirmar com certeza que seja impossível algo assim acontecer?  Afinal, moramos em um universo que provavelmente existe paralelamente a outros, como já foi dito por vários cientistas convencionais. O que pode ser mais bizarro que isto?

Leia-o abaixo:

No dia 5 de março de 2011, próximo de Eagle Butte, no estado de Dacota do Sul, EUA, um funcionário na Reserva Indígena da Tribo Standing Rock Siox (guarda de segurança de um casino) estava dirigindo para casa sozinho após seu trabalho, quando começou a ver luzes vermelhas no lado de fora do carro, por volta das 23h00, as quais pareciam como bolas de softball (formato maior de bolas de beisebol com tamanho aproximado às bolas de bocha), e centenas delas que aparentemente começaram a circular seu carro enquanto ele dirigia em direção sul na Rodovia 20.

As bolas vermelhas, centenas delas, seguiram o veículo por alguns quilômetros. As luzes nunca chegaram muito perto do carro, e permaneceram aproximadamente à distância de dois veículos dele.

Após três ou quatro quilômetros o carro começou a desacelerar por si mesmo e estabilizou à velocidade de aproximadamente 60 km/h e não era possível ir mais rápido.

As luzes então desapareceram repentinamente e o carro voltou à velocidade de 100 km/h.  Neste ponto, ele havia chegado até um local onde uma estrada de cascalho encontrava a rodovia e havia uma estação experimental de estudo de erosão do solo. Lá, o guarda começou a sentir uma sensação de arrepio e formigamento por todo seu corpo.

Então, a testemunha viu um ser no lado da estrada, onde a estrada de cascalho terminava na rodovia principal, e antes que ele pudesse reagir esta criatura estava no lado de seu carro.  Esta coisa então o tocou na cabeça através do parabrisas, descendo as mãos pelas suas costas.  As costas da testemunha ficaram extremamente quentes.

A testemunha descreveu a criatura (aparentemente alienígena), como tendo uma cabeça oval, um corpo muito delgado, com braços e pernas fina.  Ela era translúcida e brilhava como uma lâmpada elétrica  quase que apagada, e era possível de se ver através dela.  Seus olhos tinham o tamanho dos olhos humanos, e tinha um nariz longo e boca enorme.  Seus braços eram como ‘varetas’ e também tinham um brilho suave.

A criatura tinha aproximadamente 1,30 metros de altura.  Neste momento a testemunha viu outra criatura no outro lado da estrada (lado esquerdo) e descreveu a segunda criatura como tendo uma face toda enrugada e aterrorizante.  Esta emitia um brilho marrom avermelhado.  Logo a segunda criatura desapareceu.  A primeira criatura permaneceu ao lado do veículo por aproximadamente 10 minutos e a sensação de formigamento da testemunha persistia.

Eventualmente a testemunha conseguiu dirigir seu carro e começou a se sentir melhor quando se aproximou de uma fazenda próxima de Eagle Butte.

De acordo com sua esposa, a testemunha estava muito agitada quando chegou em casa.

Eu presumo que também ficaria agitado, tivera eu uma experiência dessas, real, ou não.

n3m3

Fonte: The Canadian – Referência: MUFON CMS

 

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.

Devido a problemas técnicos, dispositivos móveis que acessam a versão amp (Accelerated Mobile Pages) do OVNI Hoje não terão acesso ao sistema de comentários. Neste caso, simplesmente acesse o site ovnihoje.com diretamente, e não por intermédio do sistema de procura.